Paredes de concreto passo a passo (1)

31 de julho de 2013

Sistema, assim como a produtividade, está associado a uso de concreto autoadensável, que não exige vibração. Veja como fazer montagem e desmontagem das fôrmas, bem como o lançamento do concreto

Reportagem: Valentina Figuerola



Comuns em obras com muitas repetições, sistema de paredes de concreto exige nivelamento da fundação, geralmente radier, para montagem das fôrmas. Como as paredes são moldadas numa única etapa e não é possível usar vibradores durante o lançamento, o concreto deve apresentar elevada fluidez e plasticidade. Os pontos a partir de onde o concreto será lançado nas fôrmas são previstos com a finalidade de espalhar homogeneamente o material, evitando vazios de concretagem - bicheiras.

Passo 1. O nivelamento preciso da fundação, neste caso em radier, assegura a montagem correta do sistema de fôrmas.


Passo 2. Os pontos de instalações hidráulicas e elétricas são determinados a partir dos eixos de projeto - previamente riscados em vermelho no radier.







Passo 3. Antes das fôrmas, e sempre seguindo o projeto estrutural, é preciso montar as telas soldadas da armadura e posicionar, além dos espaçadores, os conduítes e as caixas de passagem das instalações elétricas. Esses elementos são amarrados à armadura com arames para evitar que se desloquem.


Passo 4. A reportagem acompanhou a execução do primeiro andar do edifício - e não do térreo, junto ao radier. A foto retrata o momento anterior ao início da montagem das fôrmas, com as armaduras, os espaçadores e as instalações já prontas. Passo 5. Em todas as fôrmas - internas e externas -, a face que fica em contato com o concreto deve receber desmoldante, que facilita a retirada das fôrmas depois do endurecimento do material, minimizando o esforço e, consequentemente, aumentando a vida útil das mesmas.






Passo 6. Primeiro, são montadas as fôrmas das faces internas da edificação, conforme as orientações do fabricante dos painéis.



Passo 7. As gravatas de travamento, que fazem a ligação entre as faces das fôrmas, devem ser posicionadas nas fôrmas já montadas.


Passo 8. Veja como é feita a fixação entre as fôrmas paralelas - das duas faces - com uso das gravatas e dos pinos de travamento. Eles servem, ainda, para travar os painéis lateralmente.
Passo 9.
O travamento lateral é finalizado com a inserção de cunhas em todos os pinos. Quando há muitas unidades iguais a serem construídas, os painéis são sempre montados na mesma posição e ordem. Assim, numerá-los pode agilizar a montagem.




Passo 10. Seguindo as orientações de projeto, os painéis de alumínio devem ser posicionados lado a lado, sucessivamente, até que todas as faces estejam concluídas.



Passo 11.
As fôrmas de laje são montadas após a conclusão das fôrmas para parede. A fixação desses elementos também se dá com o uso de pinos de travamento e cunhas.




Passo 12. Nesta etapa são posicionadas as escoras para sustentação da laje superior durante o lançamento e a cura do concreto.




Passo 13.
A armação da laje também é feita com uso de telas soldadas. Outro elemento que se repete é o espaçador, que mantém a armadura no lugar e garante o cobrimento mínimo pelo concreto, evitando problemas de corrosão por exposição.
Passo 14.
Posicionadas conforme orientação de projeto, as instalações elétricas e hidráulicas são amarradas com arame recozido.
Passo 15.
À conclusão da etapa de montagem, é feita a conferência pelo engenheiro ou mestre de obras. Depois disso, o concreto autoadensável é lançado no
interior das paredes.





Passo 16.
O uso de concreto autoadensável - ou, ao menos, com elevada fluidez - se deve ao espaço restrito e à presença de armaduras, que dificultam o uso de vibradores. A especificação do concreto deve ser feita pelo projetista.

Passo 17.
A concretagem da laje é contínua à das paredes.

Passo 18.
A regularização do concreto é feita com uso de régua metálica.


Passo 19.
Após a cura, as fôrmas são retiradas. Para remover as cunhas pode ser necessário utilizar o martelo. Cuidado para não danificar as peças.

Passo 20.
Os sistemas de fôrmas metálicas geralmente contam com ferramentas específicas para remoção dos travamentos.

Passo 21.
O projeto estrutural geralmente prevê a permanência de escoramento residual após a retirada das fôrmas. A finalidade é dar sustentação à laje durante o ganho de resistência do concreto ao longo dos primeiros dias.
Passo 22.
Consecutivamente, à conclusão de cada pavimento, as fôrmas são passadas para o pavimento superior para dar continuidade à construção.
Apoio técnico: Ricardo Luis Bergo Davanso, engenheiro da RGA Construtora, Rubens Monge e Arnoldo Wendler, da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP). Obra: Conjunto residencial Mazaferro, Diadema (SP).
http://www.equipedeobra.com.br/construcao-reforma/61/artigo291313-1.asp 
http://www.equipedeobra.com.br/construcao-reforma/61/artigo291313-2.asp 
http://www.equipedeobra.com.br/construcao-reforma/61/artigo291313-3.asp 
 
Clube do Concreto | by TNB ©2010