1 2 3 4

O que é uma Sapata Excêntrica


Trata-se de uma estrutura de fundações de utilização bastante restrita. Temos trabalhado em muitos casos de insucesso, que exigiram procedimentos de reforço.
As causas mais comuns que temos observado são:

             a) Escavações vizinhas próximas ao calcanhar.
             b) Grande sensibilidade a qualquer vazamento de aguas na área de entorno.
             c) Erro no detalhamento da armadura.
             d) Erro na geometria do posicionamento do pilar em relação a sapata.
             e) Falta de um atirantamento para compor o equilíbrio externo.

Pelo exposto, fica para o engenheiro a responsabilidade de escolher a sapata excêntrica somente para casos que lhe pareçam adequados para a utilizar o sistema. Normalmente para obras de pequeno porte e respeitando as condições de detalhamento e equilíbrio estrutural.    


A mais antiga e eficiente sapata excêntrica que se tem conhecimento é o pé humano.

Vamos, portanto, nos basear nela para definir nosso modelo e como pode ser usado nas construções.
Primeira observação: a  dimensão  Hs da sapata é semelhante a dimensão Hp do pilar, acompanhem as figuras a seguir:

Este erro caracteriza uma anomalia geométrica de posicionamento do pilar em relação  a sapata.


Voltando ao nosso modelo (o pé humano), vamos observar como deve ser a armação da sapata.
 Segunda observação: músculos e tendões formam um reforço contínuo que liga a perna (nosso pilar) e o pé (nossa sapata).

Vamos agora abrir um parêntesis para tecer alguns comentários:

1 – Temos visto poucos casos de utilização da sapata excêntrica em obras novas.
      É em reformas que encontramos maior aplicação deste tipo de fundação.

      Os casos mais comuns são os  reforços de paredes limites de  pequenas
      construções, nas quais a razão mais comum  é a operação para aumentar
      pavimentos.

      Vamos ver o caso que foi mostrado como modelo de arquitetura estrutural .

2 – Não devemos mais fazer sapatas (excentricas ou não), com o formato chanfrado:
É assim o modelo que vemos apresentado na literatura e nos programas de cálculo e dimensionamento de estruturas de concreto armado.

Este é um formato antigo, que acompanha o nosso modelo fundamental que é o pé humano.  Este procedimento visa economizar concreto, posto que os esforços máximos ocorrem no calcanhar e atingem o zero na outra ponta.

Acontece que no passado o atual Fck era um valor bastante reduzido em relação a resistência do concreto de hoje. Para mostrar este fato, lembro que quando começamos a calcular a resistência comum para o concreto era o que se chamava de tensão de ruptura e o valor típico era 90 Kgf/cm2 (9 MPa).

Para atingir a resistência utilizada hoje, é fundamental que o concreto, seja eficientemente adensado, difícil tarefa para operacionalizar com a superfície livre inclinada.
Leia Mais

Mapa de concretagem, é preciso?

O que é o mapeamento de concretagem?

Identificação do local onde foi depositado o concreto de cada caminhão-betoneira ajuda a determinar a origem do material em caso de eventuais problemas

Reportagem: Juliana NakamuraEdição 37 Equipe de Obra - Julho/2011
Marcelo Scandaroli


Simples e imprescindível.

Assim os especialistas definem o mapeamento de concretagem. O procedimento, que prevê a anotação de dados referentes ao concreto recebido sobre a planta da área a ser concretada, permite identificar com exatidão o local onde foi lançado o material saído de cada betoneira.

"O mapeamento facilita eventuais processos de verificação ou intervenção posteriores e deve ser uma prática corrente nas construções", recomenda Rubens Curti, supervisor dos laboratórios de concreto da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP).
Para Cléber Saccoman, diretor da construtora Matec, esse controle é tão importante que merece ser aplicado a todos os elementos estruturais concretados, desde lajes, vigas e pilares, até elementos de fundação e pisos estruturais.

"O mapeamento é um documento interno de acompanhamento do processo construtivo e deve ser suficientemente extenso para conter as informações relevantes desejadas e, ao mesmo tempo, ser objetivo para ser facilmente interpretado", resume Egydio Hervé Neto, diretor técnico da Ventuscore.

Dúvidas frequentes
Como é feito o mapa de concretagem?
O encarregado do mapeamento acompanhará a concretagem real e desenhará, sobre a planta da área, "a mancha" correspondente a cada betonada, anotando sua identificação individual (número da nota fiscal ou número da betoneira, por exemplo).
Com que tipos de concreto o procedimento é adotado?
O mapeamento é feito para concretos convencionais, cuja consistência pode ser medida pelo teste de abatimento do tronco de cone.
Dá para realizar o mapeamento quando o concreto utilizado é autoadensável?
Para concretos mais fluidos, como é o autoadensável, a tarefa torna-se mais complexa, já que o espalhamento desse tipo de concreto dificulta a identificação de seu posicionamento final. Para contornar essa situação, pode-se colorir o concreto para facilitar sua identificação.
Quem é a pessoa mais indicada para fazer essas anotações?
Normalmente quem realiza o mapa de concretagem é um técnico de edificações. Esse profissional deve conhecer a estrutura que está sendo executada, ter facilidade para ler e interpretar o projeto executivo e autonomia para transitar pela obra acompanhando o lançamento do concreto. Em algumas construtoras, como é o caso da Matec, o anotador atua em conjunto com a empresa de tecnologia de concreto contratada.
Só o mapeamento é suficiente para dar segurança ao construtor com relação ao concreto entregue?
Não. Aliás, o responsável pelo mapeamento normalmente também realiza outros procedimentos relativos à entrega do concreto na obra, como ensaios de abatimento ou espalhamento e a moldagem de corpos de prova para ensaios de resistência.
Que informações devem ser registradas no mapa?
Para cada concretagem, além da posição do lançamento, devem ser registrados: tipo de concreto entregue, identificação do caminhão-betoneira, data e hora da entrega do concreto, nome de quem recebeu o concreto e número da nota fiscal.
Em que pontos o anotador deve prestar mais atenção?
O término de uma descarga e o início da descarga seguinte são as posições mais difíceis de retratar no mapeamento. Por isso, o anotador deve ter atenção nesses momentos.
Quantos mapas devem ser feitos durante toda a obra?
Tantos quantos forem as concretagens.

Exemplo de mapa da concretagem
» A laje é dividida de acordo com o planejamento de concretagem. Os limites de cada concretagem devem ser desenhados no mapa.
» No momento da concretagem, o anotador deve marcar em cada trecho:
a) número da betoneira que descarregou o concreto
b) data e hora do início da concretagem
c) número da nota fiscal referente à compra do concreto

Observação: essa metodologia é válida não apenas para a concretagem de lajes, como também para outros elementos da estrutura e das fundações.


Apoio técnico: Egydio Hervé Neto, diretor técnico da Ventuscore; Rubens Curti, supervisor dos laboratórios de concreto da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP); Cléber Saccoman, diretor da construtora Matec; Inês Battagin, consultora da ABCP e superintendente do CB-18 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Leia Mais

O que significa MPa ?




A Engenharia tem uma solução para cada caso. Consulte um Bom Engenheiro, que não seja formado na UNI-Esquina. Não banque o aprendiz de feiticheiro, antes que a casa caia. 

Segue resposta relativa a primeira parte da pergunta. 

Resistência Característica do Concreto à Compressão 

O cálculo de uma estrutura de concreto é feito com base no projeto arquitetônico da obra e no valor de algumas variáveis, como por exemplo, a resistência do concreto que será utilizado na estrutura. 

Portanto, a Resistência Característica do Concreto à Compressão (fck) é um dos dados utilizados no cálculo estrutural. Sua unidade de medida é o MPa (Mega Pascal), sendo: 

Pascal: Pressão exercida por uma força de 1 newton, uniformemente distribuída sobre uma superfície plana de 1 metro quadrado de área, perpendicular à direção da força. (força aplicada dividida pela área de aplicação)

Mega Pascal (MPa) = 1 milhão de Pascal = 10,1972 Kgf/cm². 
Por exemplo: O Fck 30 MPa tem uma resistência à compressão de 305,916 Kgf/cm². 

O valor desta resistência (fck) é um dado importante e será necessário em diversas etapas da obra, como por exemplo: 

Para cotar os preços do concreto junto ao mercado, pois o valor do metro cúbico de concreto varia conforme a resistência (fck), o slump, o uso de adições, etc. 

No recebimento do concreto na obra, devendo o valor do fck, fazer parte do corpo da nota fiscal de entrega, juntamente o slump. 

No controle tecnológico do concreto (conforme normas da ABNT), através dos resultados dos ensaios de resistência à compressão.

Leia Mais

Retífica para Corpo de Provas, Blocos, Prismas Cerâmicos e Paver - Setor Indústria®



Retificadora / faceadora para blocos e prismas cerâmicos produzida pela Setor Indústria.

Equipamento que visa eliminar o mau cheiro quando se utiliza enxofre e a sujeira causada pelo capeamento de blocos e corpos de prova.

(19) 3281-2981 / (19) 3281-0612

www.setorindustria.com.br







Retífica / Retificadora / faceadora ou Polidora de Corpos de Provas ( CP ) Multi CP desenvolvida e produzida pela SETOR Ind.® empresa com mais de 26 anos no mercado nacional. 

- Retifica 4 ( quatro ) Corpos de provas de uma só vez
- Sem poeira
- Elimina capeamento e/ou discos de neoprene
- Automática
- Ajuste de velocidade controlada
- Possui sistema Flatland Process™
- Medidas 5 x 10 | 10 x 20 | 15 - 30
- Fabricada no Brasil.

NBR 12767, 10906, 8045, 7680, 5738;

' Concrete Cylinder End Grinder Multi CP '
' Pulidor de Muestras de hormigón '

Patente Requerida ( PI0604897-8 )

Setor Ind® - Brasil
+55 19 3281-2981 | +55 19 3281-2981 | +55 19 9138-1622
contato@setorindustria.com.br

www.setorindustria.com.br


Leia Mais

Why-Why

O 5 Por quês e a Causa Raiz


Também conhecida como técnica dos 5 porquês ou “why-why”, Teve sua origem na Toyota no Japão, e é até hoje utilizada como técnica de análise sobre determinada necessidade, Buscando identificar a “causa-raiz” de um problema, podendo ser utilizada individualmente ou em pequenos grupos.

A técnica 5 por quês é aplicada na solução de anomalias com a finalidade de descobrir a sua principal causa, portanto ao chegar ao quinto por que, devemos ter a definição clara da causa, devido ao processo de análise.
Para aplicação desta técnica devemos analisar as possíveis causas de maneira crítica, considerando a sua real participação no problema detectado, ou seja, qual o fator de importância que esta causa tem para a ocorrência deste problema.
5 por quês?
Portanto devemos ao responder 5 vezes por que? a real certeza de que a causa foi identificada e também se esta causa de fato é a mais crítica para a ocorrência deste problema analisado.

O mais importante para esta técnica de análise de problemas é que se não considerar diversos fatores relacionados ao problema analisado, podemos apenas tomar uma medida intermediária que acabaria não gerando a solução.

Abaixo podemos detectar através de análise que o principal fator era a falta de manutenção preventiva ao qual ocasiona a parada da máquina, sem necessidade de chegar ao 5° por que? Ou em um nível mais crítico.
5 por quês?
A análise crítica de um problema não deve ser realizada de maneira superficial, pois em muitos casos podemos mascarar a causa principal e por isso manter os efeitos deste mesmo problema.

Tome cuidado ao analisar as causas de um problema, pois o grupo envolvido deve ter base sobre evidências reais e não apenas fatos isolados que não contribuem de maneira crítica.
Nível de Causas
Analisar profundamente esta causa é o que podemos chamar de detecção da causa raiz problema, por isso devemos considerar o 5 por quês uma técnica importante para esta etapa de identificação, simples e objetiva que auxilia no processo de solução.
Causa Raiz
Fica a dica desta técnica para você aplicar no dia a dia para trabalhos na solução de problemas, considere como importante o que de fato se espera no processo de análise, pois correção é o que elimina a causa e seus efeitos.


Fonte e mais publicações bem interessantes: O 5 Por quês e a Causa Raiz 


Qualidade Brasil - O seu portal brasileiro de Gestão 



Sistema Qualidade Brasil 2015
Leia Mais

Casa é construída com apenas R$ 18 mil reais na Tailândia

3

StevesDomeHome_25

Este braço pivot é a chave para a coisa toda ...



6


Da série: “Sonhos possíveis” e “Quero a minha casa”; a ideia dessa construção é de Steve Areen, um ex-comissário de bordo, fotógrafo e músico que já viajou por todo o planeta. Steve teve então a oportunidade de materializar um de seus sonhos e construiu uma pequena casa em uma fazenda de mangas de um amigo na Tailândia. O projeto foi realizado em apenas 6 semanas e ele gastou cerca de US$ 8 mil dólares, algo como R$ 18 mil reais.
A casa é pequena mas muito graciosa, tem uma cúpula, que foi feita com tijolos, depois ele foi adicionando as portas, prateleiras, o mirante e até um lago. Esse projeto foi feito com a ajuda de poucas pessoas.
A casa de Steve é abastecida por eletricidade e água, mas naturalmente aquecida e iluminada por grandes janelas, o quarto que particularmente achei sensacional, têm grandes janelas e dá pra ficar olhando a vista, lendo um livro, pensando na vida…
Em uma grande fazenda de manga orgânica, muito para o campo do nordeste da Tailândia, eu construí a minha casa pequena cúpula.Aproveite o passeio! Para mais informações e imagens, visite:
http://www.steveareen.com/index.html A canção "Reflection" é o meu Bird of Passage CD, disponível aqui: http://steveareen.bandcamp.com
      Felicidades!

Trouxe essa história hoje aqui pra gente se inspirar, ideias como essa são possíveis, e mais do que isso, ideias que fogem de padrões convencionais. Vai dizer, que você não queria uma dessa? Eu sim :)
Leia Mais

Alvenaria Estrutural com Blocos de Concreto - ABCP e GAI




Vídeo também com uma explicação das famílias de blocos

Leia Mais

Queda de marquises (2)


Eis algumas fotos de acidentes com marquises, se for seu caso, pense antes de calcular e cuidado ao se responsabilizar por obras que parecem ser simples e não são.


Existem muitos cuidados para o cálculo e na execução das marquises na obra, DEVERIA SER OBRIGATÓRIO o seu acompanhamento de execução...ou ser avaliada o seu risco em uma manutenção futura e proibir o seu uso em determinadas situações veja este assunto que publiquei anteriormente em:



A solução ou correção para todos esses problemas é uma só: contratar profissionais competentes, experientes, habilitados.

















Leia Mais

Planilhas e programas publicados sobre DOSAGEM DO CONCRETO

Leia Mais

Problema com patolamento de guindaste?

Este vídeo mostra um problema típico com o patolamento do guindaste, onde é colocado alguns calços sobre os braços do outriggers

.

Sertech Treinamentos


Leia Mais
 
Clube do Concreto | by TNB ©2010