1 2 3 4

Massa Especifica Real e Unitária - revisado

Devem-se distinguir, para o material sob a forma de agregado miúdo e graúdo, duas espécies de massa específica.


Mas para uma melhor compreensão ( o que foi pedido pelo comentário do prof. Augusto Cesare Stancato) é melhor entender primeiro pelas duas figuras abaixo o que são os vazios permeáveis e impermeáveis em um grão) 








- Massa específica real: 

É a massa da unidade de volume, excluindo deste os vazios permeáveis e os vazios entre os grãos.  

Sua determinação é feita através do picnômetro, da balança hidrostática ou pelo frasco de Chapman.  Sempre que não for possível sua determinação, pode-se adotar o valor de 2,70 kg/dm3 para os agregados miúdo e graúdo e de 3,10 kg/dm3 para o cimento.

- Massa unitária: 


É a razão entre a massa de um agregado lançado em um recipiente e o volume deste recipiente. O método de ensaio é executado pela NBR 7251.



A massa unitária tem grande importância na tecnologia, pois é por meio dela, que se podem transformar as composições das argamassas e concretos dadas em peso para o volume e vice-versa.




Pela nomenclatura adotada pela a imagem acima temos para o cálculo das massa especificas:







Na apuração da massa unitária é fortemente influenciada pelos seguintes fatores:

- modo de enchimento do recipiente;
- forma e volume do recipiente;
- umidade do agregado.










Modelo de balança Hidrostática eletrônica:

Resultado de imagem para balança hidrostatica




Modelo de picnômetro




Leia Mais

Biblioteca com 2737 arquivos de casas !!

grey10

 Aqui está uma gigantesca biblioteca de arquivos DWG contendo um arquivo zip  com 2737 planos em AUTOCAD disponíveis  para download.


Baixar arquivo 2737 DWG da casa :

grey10

Leia Mais

152 planilhas em Excel (em francês)




Bons estudos !!!! mas não deixe de validar as planilhas, as normas Brasileiras diferem !!!!

001 - feixe contínuo

002 - esforço em feixe contínuo

003 - esforço em feixe contínuo

Envelope 004 -Effort em um feixe contínuo

005 - esforço em um feixe contínuo sob o rolo de carga.
006 -Esforço em um feixe sob piso elástico

007 - força em um feixe contínuo com inércia variável

008 - buracos nas vigas

009 - cargas de compressão de coluna

010 -Verificação um post flambagem Faessel 

011 -justification pólos de incêndio 

012 mista -poteaux 

013 -arrow esboçou um feixe

prejudicial 014 -arrow um piso de 

015 -arrow seguinte BAEL91

016 - pilhas guindaste

017 - guindaste na sola

018 - grua selada POTAIN

019 - grua selada LIEBHERR 

e muito mais ...
Leia Mais

Office Engineering - 157 planilhas

São 157 Planilhas em Excel da França. 
Para quem quer estudar cálculos de concreto armado ou mesmo se aprofundar nos cálculos em Excel:

B.T.I SARL 



Clique na imagem acima e escolha uma e analise.....

Bureau Technique Ingenierie

Office Engineering



Leia Mais

Paredes 3D

✨Tiling concept from @sargoola ✨ Trabalho do aluno em 'Geometrias de Transição' Outono de 2016 @columbiagsapp @gsappfablab @transitionalgeometries #pattern #concrete #arquitetura #facade #design #abstract #art # 3dprinting # 3d #geometria #moldmaking #ceramics #prototype #fabrication #make #maker #rapidprototyping #architectureschool #modular # columbiauniversity #columbiagsapp #gsapp #nyc #block #escultura #tile✨Shade / Sombra / Textura✨ Módulo de concreto de travamento por @ qiu.jin_ para 'Geometrias de Transição' Outono de 2016 @formlabs @columbiagsapp @gsappfablab @transitionalgeometries #pattern #concrete #arquitetura #facade #design #abstract #art # 3dprinting # 3d #geometry #moldmaking #ceramics #prototype #fabrication #make #maker #rapidprototyping #architectureschool #modular # columbiauniversity #columbiagsapp #gsapp #nyc #block #escultura

✨Form -> Formwork✨Student work de @naifeiliu para 'Geometrias de Transição' Outono de 2016 @columbiagsapp @gsappfablab @transitionalgeometries #pattern #concrete #arquitetura #facade #design #abstract #art # 3dprinting # 3d #geometria #moldmaking #ceramics # protótipo #fabricação #make #maker #rapidprototyping #architectureschool #modular # columbiauniversity #columbiagsapp #gsapp #nyc #block #escultura

✨Mais de @youngboolean ✨ Primeira iteração de 'Geometrias de Transição' Outono de 2016 @columbiagsapp @gsappfablab @transitionalgeometries #pattern #concreta #arquitetura #facade #design #abstract #art # 3dprinting # 3d #geometria #moldamaking #ceramics #prototype #fabrication # fazer #maker #rapidprototyping #architectureschool #modular #columbiauniversity #columbiagsapp #gsapp #nyc #block #escultura #tile

TAtapa Espacial de Sujin .... realmente agradável✨ Trabalho de estudante de 'Geometrias de Transição' Outono de 2016 @columbiagsapp @gsappfablab @transitionalgeometries #pattern #concreta #arquitetura #facade #design #abstract #art # 3dprinting # 3d #geometria #moldmaking # ceramics #prototype #fabrication #make #maker #rapidprototyping #architectureschool #modular # columbiauniversity #columbiagsapp #gsapp #nyc #block #escultura              âœ¨ Novos blocos modulares de concreto que saem bem ✨Modelo de demonstração da classe de 'Geometrias de Transição' @columbiagsapp FALL 2016 @gsappfablab @the ._. Da @makerbot #tile #pattern # arquitetura # arquitetura # fachada # design #abstract # 3dprinting # 3d # geometria #moldmaking #ceramics #prototype #fabrication #make #maker #rapidprototyping #architectureschool #modular # columbiauniversidade #columbiagsapp #gsapp #nyc

✨Class TA, @the ._. Da duro no trabalho preparando o próximo modelo para casting✨: Este protótipo estará testando novos detalhes de conexão para estabilização temporária ..... fique atento para mais @transitionalgeometries @columbiagsapp # 3d # 3dprinting # shade #shadow #moldmaking #prototype #fabrication #design #arquitetura #modelmaking #ceramics #textura #tile #pattern #concrete #facade #castconcrete #blocks #stacking #modular #nyc #columbiauniversity #columbiagsapp #gsapp #makerbot

  playtestmake

Nem precisa dizer algo sobre as peças, estes trabalhos são de estudantes da Play Teste Make

https://www.pictame.com/user/playtestmake/283760057/1383390838227150955_283760057

Leia Mais

Tipos de formas de sapatas



Para a realização de um pré-dimensionamento em planta, é necessário numa primeira fase saber se a resultante das ações vai se encontrar dentro ou fora do terço central da sapata. Mas numa fase ainda preliminar de dimensionamento não é considerado este aspeto, sendo depois, numa fase de dimensionamento, realizada a verificação quanto à localização da resultante do diagrama de tensões. 

Para a realização de um pré-dimensionamento (medidas em planta), é necessário realizar uma estimativa do esforço axial devido ao peso próprio da sapata. Este valor é normalmente considerado em 10% da carga axial existente, caso o valor do peso próprio da sapata se encontre acima (ou muito abaixo) desta estimativa se realiza uma correção para se estar mais perto da solução final.

São estes os vários tipos de forma de sapatas:

Sapatas proporcionadas: 
Neste tipo de sapatas, as sapatas possuem dimensões proporcionais aos momentos a que estão sujeitas. Assim, a sua dimensão (tanto em comprimento como em largura) é a soma da parcela relativa ao esforço axial mais duas vezes a parcela relativa ao momento.

Sapatas homotéticas: 
Este tipo de sapatas baseia-se no mesmo principio que as sapatas proporcionadas. Contudo, neste tipo, para além de ser proporcional aos momentos, a razão entre o lado da sapata com o lado do pilar da mesma direção da sapata terá que ser igual nas duas direções.

Sapatas de bordos equidistantes: Caso se pretenda que a sapata possua nas duas direções a mesma distância entre o bordo do pilar e o bordo da sapata, deverá ser este o tipo a usar.

Sapatas quadradas:
Estas, como o nome indica, possuem a mesma dimensão nos dois sentidos.

Sapatas de dimensão condicionada:
Poderão existir situações em que a sapata não possa ultrapassar mais que um certo valor na sua dimensão. Isto pode acontecer em pilares de bordo (ou de canto) para que a sapata não atinja a propriedade vizinha. Nestes casos, a dimensão condicionante deverá ser indicada, sendo que o equilíbrio da sapata é mantido na outra dimensão. Caso a restrição seja bastante grande, poderá não ser possível obter uma dimensão tal que se verifique o equilíbrio. Para estes casos, poderá ser usado uma viga de equilíbrio. Também poderá ser aplicado o mesmo princípio para sapatas excêntricas.

Para pré-dimensionar a altura da sapata, utiliza-se a expressão relativa à sua flexibilidade. O tipo de flexibilidade da sapata é medido pelo coeficiente de flexibilidade K pela fórmula:


Em  breve uma será comercializado uma planilha de sapatas que venho desenvolvendo, onde o gráfico de momentos reais estará presente e foi apresentado no inicio desta publicação.

Eng Ruy Serafim de Teixeira Guerra


Leia Mais

Um carro de mão versus latas de 18 litros? (novas imagens)


Tenho visto em diversas fabricas e obras, a utilização de carros de mão, conforme figura abaixo, para medir o volume de agregados na confecção do traço.



Este carro de mão acima tem medidas fixas como comprimento, largura e altura?? NÃO

Não se deve utilizar em nenhuma hipótese carros de mão "calculados" (cheio formando pilha), amassados e sem ter medidas que possam ser conferidas. 

Deve-se AFERIR o volume de qualquer que seja o instrumento de medição utilizado para os agregados (e isto vale para qualquer instrumento utilizado dentro da fábrica, que deve ser previamente AFERIDO).

Aferir como?
Com um balde redondo e de plastico enche-se com água até transbordar, este procedimento deve ser feito em cima de uma balança.O volume será o peso de água colocado neste recipiente, porque temos aproximadamente 1000 kg de água = 1000 lts.

Com o balde aferido se afere o carro de mão (teremos o numero de latas que cabem no carro de mão). que RECOMENDO ser TRAPEZOIDAL e não os do tipo da figura acima, veja este modelo:



O que se deve fazer:

* Não utilizar latas de tinta, estas amassam e não permanece com volume constante
* Não utilizar carros de mão sem ser trapezoidais, estes não tem volume pré-definido e também amassam e o volume altera. Utilize-os rasando com o cabo da pá ou com uma pequena régua. 
 * Utilize baldes plásticos redondos (de óleo lubrificante pré-lavados, tinta, etc) e faça uma aferição do volume.
* Aferir qualquer que seja o instrumento de medição dos agregados.
* Pode ser utilizado caixotes de madeira, mas se desperdiça porque tem de ser transportado com dois operários.
* Não acreditar que um carro tem 4 ou 5 latas simplesmente porque me DISSERAM....
* Utilize  o carro de mão vendido no mercado SOMENTE para isto >>>>>>



e quem sabe se não fica melhor destas outras formas:



Resultado de imagem para carro de mão para concreto



Em Maranguape no Ceará foi muito bem resolvido como utilizar  estes carrinhos de mão:


Resultado de imagem para corrida de carro de mão


E se chegar nesse ponto  ????
Interna ou não??


Acredito ter esclarecido muito bem este assunto, leitores já foram mais de 20 mil !!!!  nada mau rsrsrsr e se tiver mais fotos me enviem que eu certamente acrescento na publicação e com o seu mérito !!!

Eng Ruy Serafim de Teixeira Guerra

17297
Leia Mais

Implantação e Layout da Fábrica (02)



1-IMPLANTAÇÃO DA FÁBRICA:

Investimentos para a Produção de Pré-Moldados Protendidos
Com os dados a seguir dependem do objetivo de cada fábrica, da produção de pré-moldados em média ou grande escala e instalações, os investimentos dependem dos equipamentos a serem escolhidos.

TERRENO:
Recomenda-se área plana e retangular, que acompanhe a direção da produção. Para seis pistas, necessitamos uma área de ± 20 x 210m + área para estoque, O ideal é que seja no mínimo duas vezes a área de produção + área para a Central de Concreto, com acesso e para manobra de caminhões para a descarga de acordo com o layout.



CENTRAL DE CONCRETO:
Para acompanhar o ritmo de produção da Moldadora ou da Extruder, recomenda-se uma central de concreto automatizada, com dosadora para três ou mais agregados, silo de cimento, sistema de controle de umidade e misturador com capacidade mínima de 1500 litros de concreto misturado, a cada 3 minutos, para suprir o consumo da Moldadora ou Extruder.


A central de Concreto WCH possui diferenciais que garantem agilidade, praticidade, alto desempenho e qualidade em todo o processo produtivo com máxima eficiência. Além de modelos de linha disponíveis, atendemos às necessidades específicas de nossos clientes, desenvolvendo projetos sob medida para cada indústria em versões adequadas às particularidades e objetivos de produção.


INSTALAÇÕES NECESSÁRIAS:
Para produção com a Moldadora ou Extruder WCH, necessitamos de:

PISTAS DE PRODUÇÃO:
Recomenda-se comprimentos entre 120 a 180 metros, com inclinação para o escoamento de água, em número que permita a produção desejada para atender a demanda de venda, em função do tempo de cura para o corte (16 a 48 horas para cura natural e 8 a 10 horas para cura térmica). As pistas podem ser metálicas, ou de concreto com revestimento metálico, pois, a produção de lajes/painéis alveolares, pré-lajes, exigem um melhor acabamento na parte inferior.


LINHA DE ABASTECIMENTO:
A pista de abastecimento de concreto, (ou pista sobressalente), serve para transporte de concreto da central à máquina, através do carro transportador de caçambas, evitando o deslocamento do pórtico/ponte rolante, que permanece no ponto de consumo junto à Moldadora/Extruder.

  
Também pode-se optar pelo transporte aéreo (Fly) para o abastecimento da Moldadora com concreto.



LINHA ESCOAMENTO:
A linha de escoamento (ou pista sobressalente), serve para transporte e retirada das vigotas. O transporte pode ser através de plataforma transportadora ou “vagonetes”, liberando o pórtico/ponte rolante para outros trabalhos.

PISTAS PARA PRODUÇÃO
Existem três tipos de pistas para a produção de lajes alveolares com a Moldadora ou a Extruder WCH:
A-Pista Monolítica:
A pista de concreto monolítica é composta de blocos de fundação para as cabeceiras, laje de compressão, que juntas suportam a carga de compressão e momento da protensão e revestimento de chapa metálica para o acabamento da face inferior da laje.


B-Pista Metálica Sobreposta:
Fornecemos os módulos metálicos, com ou sem tubulação para cura térmica, trilhos para máquinas e perfis biso-te para acabamento do canto inferior das lajes. Requer blocos de fundação para as cabeceiras, laje de compressão, que juntas suportam a carga de compressão e momento da Protensão, tal qual a pista monolítica.




C-Pista Metálica Autoportante:
Fornecemos os módulos metálicos, com ou sem tubulação para cura térmica, trilhos para máquinas e perfis bisotê para acabamento do canto inferior das lajes. Requer mínima fundação para os módulos das cabeceiras, com montagem simplificada sobre piso industrial para fábricas fixas. E para fábricas itinerantes montadas sobre blocos tipo sapatas e cascalhos entre pistas, ou com pisos pré-fabricados, permitindo ambos o reaproveitamento.



Vale ressaltar que as pistas se definem por dois esforços: o primeiro por sua força de compressão de Protensão e o segundo pelo Momento de Protensão resistente.



2-LAYOUT DE FÁBRICA

Observe a imagem abaixo o layout de produção de lajes alveolares:


PÓRTICOS E PONTES ROLANTES:
Geralmente utiliza-se como equipamento de transporte uma ou duas Pontes Rolantes ou Pórticos, com capacidade suficiente para transportar as peças produzidas pela Moldadora/Extruder. Recomenda-se duas Pontes ou Pórticos com capacidade mínima para 7,5 toneladas para sacar laje da pista, abastecimento de concreto direto na máquina.

PROCESSO DE PRODUÇÃO DE LAJES ALVEOLARES
O processo de produção de Lajes Alveolares executado com Moldadoras WCH ou por Extruder WCH, moldam a laje continuamente na pista de produção, que após a cura serão cortadas nas medidas desejadas para estoque ou conforme pedido do cliente, sem perdas. A quantidade de Lajes Alveolares a ser produzidas é definida conforme quantidade de pistas à disposição ou sistema de cura térmica.

PREPARAÇÃO DAS PISTAS:

CARRO DE SERVIÇOS:
Para um novo ciclo de produção, a pista deverá ser limpa de todos os resíduos, o Carro de Serviços varre, aspira, unta com desmoldante e distribui os fios.



CARRO TRANSPORTADOR DE CONTAINER DESBOBINADOR:
Permite o alojamento de diversos contêineres desbobinadores, o deslocamento de uma pista para a outra, facilitando o trabalho da distribuição das cordoalhas nas pistas de produção.

CONTAINER DESBOBINADOR:
Para acondicionar um rolo de cordoalha, com saída pelo centro para evitar que a cordoalha enrosque, à medida que é desenrolada, evitando assim acidentes com os operadores.

DISTRBUIÇÃO DE FIOS:
Para a distribuição dos aços (fios ou cordoalhas) de protensão nas pistas de produção, temos duas opções:

-Com o Carro Distribuidor De Fios que executa o trabalho de distribuição dos aços.
-Com o Carro De Serviços para distribuição dos aços e outros serviços (mostrado no primeiro item).



Se lembre que você pode tirar as suas dúvidas diretamente na WCH com Wagner:  wagner.soares@wch.com.br ou mesmo nos comentários ou até mesmo diretamente comigo com Ruy Guerraclubedoconcreto@gmail.com


Visite o site da WCH aqui: www.wch.com.br


Weiler - C. Holzberger  Industrial Ltda - Tel.: ++ 55 (19) 3522-5903 / 5904 w  Fax: (19) 3522-5905  w e-mail: wch@wch.com.br
Rua Alfa, nº 400 – Dist. Industrial – CEP:13505-620 Rio Claro – SP – Brasil  -  www.wch.com.br

Leia Mais
 
Clube do Concreto | by TNB ©2010