1 2 3 4

Lançamento Dpcon Vs(03)



DPCON - Significa Dosagem Paramétrica do Concreto,  repetindo de uma publicação anterior>>>> o que significa DOSAGEM PARAMÉTRICA?

Vamos primeiro ao conceito do significado de Parametrização:

Parametrização é um processo matemático envolvendo a identificação de um conjunto completo de coordenadas efetivas ou graus de liberdade do sistema, processo ou modelo.

Logo se dosar parametricamente é se fazer com que se tenha conjuntos matemáticos que forneçam elementos necessários para que se realize uma correta dosagem do concreto. 

Como já foi dito por Ronit (Moçambique) DPCON é um CONCRETO MATEMÁTICO.


A nova versão traz a inclusão da possibilidade de escolha da curva padrão. Agora temos nesta versão as seguintes curvas:


  • Curvas de Fuller
  • Curva de Andreassen Modificado
  • Curva Repette Melo
  • Sua curva.
Temos no proporcionamento um novo gráfico de mistura onde as faixas A / B / C foram incluidas. Uma boa mistura estará sempre entra as faixas A e B. E houve também uma melhoria nos formulários de traços.

Sempre é bom lembrar que as parcelas nas areias de finos e grossos devem ser observadas e que na mistura sejam bem próximas a curva da mistura adotada. 

O valor do SS que Ken Day adota também está incluído e deve ser visto na mistura. 

MSF significa para que concreto pode ser utilizado esta mistura, nada mal, dosar é necessário ver tudo, fazer um Concreto ou um Nocreto é com o dosador!!!



 Para obter o DPCON Vs(03)

Valor    R$150,00 (cento e cinquenta reais) a titulo de doação.


Faça seu pedido e torne-se um usuário participando do desenvolvimento desta planilha .

Envie um e-mail para    clubedoconcreto@gmail.com    para adquirir as instruções para a sua aquisição ou mesmo tirar suas dúvidas.


Eng Ruy Serafim de Teixeira Guerra

Obs: Os usuários da versão 02, só basta enviar o e-mail informando (não tem custo nenhum) :

- onde trabalha 
- se possível informar como vem usando o Dpcon  (tubos, blocos, concreteira, pavers...etc)
- quais as dificuldades que teve ao utilizar e
- sugestões para uma melhoria.




Leia Mais

Definição, Aplicação e Benefícios de Lajes Alveolares Protendidas (01)


O QUE SÃO LAJES ALVEOLARES PROTENDIDAS?
Lajes Alveolares Protendidas são lajes de design moderno, eficiente e tem uma altura constante, são fabricadas em concreto protendido com diversas cavidades longitudinais ocas (alvéolos).

SEÇÃO TRANSVERSAL DE UMA LAJE ALVEOLAR:
A figura abaixo ilustra uma seção transversal de uma Laje Alveolar, com a descrição das partes que a constituí:



Os alvéolos trazem os seguintes benefícios:
·        de poder funcionar como dutos de serviço,
·        de fazer uma redução de cerca de 50% do volume do material usado,  
·        desfrutar para um baixo peso próprio,
·        aumentar a capacidade de carga devido a redução do peso,
·        são autoportantes (não utilizam escoramentos) e para grandes vãos por ter reduzido o seu peso próprio.
As lajes alveolares têm tipicamente 125cm para padrão nacional, e 120cm no padrão Europeu de largura com espessuras normalmente entre 8 cm e 50 cm e tem liberdade total no seu comprimento e são produzidas com concreto de fck ≥ 40MPa

APLICAÇÕES E BENEFÍCIOS
As Lajes Alveolares são amplamente usadas em edificações comerciais, indústrias, residências, verticais, devido aos inúmeros benefícios que sua aplicação proporciona, tais como:
            
  1. Ter qualidade assegurada em todos os seus aspectos.
  2. Facilidade e economia de transporte.
  3.  Instalação rápida e fácil atingindo até mais de 500m² por dia com uma pequena equipe de montagem.
  4.  Não utiliza escoramentos.
  5. Uso imediato após a montagem.
  6.  Rapidez é maior segurança na obra.
  7.  Excelente resistência ao fogo.
  8.  Obra limpa, não gera entulho, não utilizam madeira para as formas e nem escoramentos.
  9.  Conforto, excelente desempenho no isolamento térmico e acústico.
  10. Altíssima capacidade de carga e de rigidez.
  11. Facilmente adaptado para permitir a montagem de sistemas auxiliares, tais como bandejas para materiais elétricos, aspersores de água para incêndio, etc.
  12.  Maiores vãos com peso reduzido.
  13. Maior eficiência de vãos/espessuras o que leva a redução de altura do pavimento
  14.  Maior versatilidade para os designers
  15.  Redução de cargas nas fundações.
  16. Excelente acabamento superficial na parte inferior que está pronta para ser pintada.
  17.  Flexibilidade para altas produções.
  18. Oferecem uma solução livre de manutenção como a de armaduras expostas.
  19.  São utilizadas em qualquer tipo de sistema construtivo (estruturas pré-moldadas, alvenarias estruturais, moldadas in loco, estruturas metálicas
  20.  Economizam o custo de sua obra.

Abordando melhor alguns desses itens temos:

GANHE TEMPO E DINHEIRO COM LAJES ALVEOLARES
Prédios simples podem ser desenvolvidos para economizar tempo e supervisão de arquitetos.

ECONOMIA:
Além da perda zero e da simplicidade para acabamento, as lajes alveolares por serem até 50% mais leves quando comparadas às lajes moldadas in loco, acarretam economia nas fundações e estruturas de apoio, devido ao seu reduzido peso-próprio; o custo é predefinido, evitando futuros imprevistos.

RETORNO DO INVESTIMENTO:
Uso imediato após a montagem, com retorno mais rápido do capital investido.

VERSTATILIDADE:
Aplicam-se em qualquer tipo de sistema construtivo, inclusive estruturas convencionais e metálicas, permitindo grande variedade de arranjos internos independentes da estrutura; possibilitam passagem de dutos e aberturas de shafts.
Os alvéolos proporcionam caminhos horizontais para eletricidade, encanamento, dutos para sistema de aquecimento/resfriamento.

  
PASSAGEM DE DUTOS: 


ECONOMIA DO ESPAÇO VERTICAL
Lajes alveolares aumentam o espaço, devido a sua menor espessura na altura quando comparados com lajes moldadas in loco.

RESISTÊNCIA AO FOGO:
Construções usando lajes alveolares podem ser consideradas não inflamáveis. Lajes e pisos montados e construídos usando lajes alveolares protendidas.

CONFORTO COM CUSTO REDUZIDO:
Excelente desempenho no isolamento térmico e acústico, quando comparado a uma laje moldada in loco.

ISOLAMENTO TÉRMICO:
Menor custo no uso de resfriamento/aquecimento devido a fina camada de concreto a ser aquecido/esfriados, resultado da seção alveolar da laje.

BAIXA TRANSMISSÃO DE SOM:
Excelente em absorção de impacto é essencial em construções de prédios, pois, garante que o prédio seja mais silencioso, fornecendo um ambiente com condições mais agradáveis de se viver e trabalhar. 

A isolação de som pode ser dividida em 2 categorias (1) impacto de sons como o de passos e (2) sons vindos por ar como vozes TV e rádio.

RÁPIDEZ E ACABAMENTO:
O processo de montagem da laje alveolar é simples e repetitivo. As peças são montadas por uma pequena equipe e um guindaste, processo rápido, ficando imediatamente liberada a circulação de pessoas e equipamentos.

Com face inferior lisa, as lajes podem ficar aparentes ou receber diretamente aplicação de pintura, textura, verniz ou fina camada de gesso.

VÃO E SOBRECARGA DE LAJES ALVEOLARES:
A laje alveolar é recomendada para as mais diversas obras que desejam velocidade de obra, com custo competitivo. Permite inúmeras combinações de vãos e sobrecargas.

DURABILIDADE:
Em função do processo de moldagem por máquinas e da alta resistência do concreto utilizado (40-60Mpa), as lajes têm durabilidade muito superior à das lajes convencionais.

 OBRA LIMPA:
Responsabilidade Ambiente: Além de não gerar entulho, as lajes não utilizam madeira para fôrmas, nem escoramentos.

Na segunda publicação teremos Implantação da Fábrica com as instalações necessárias.
Se lembre que você pode tirar as suas dúvidas diretamente na WCH com Wagner:  wagner.soares@wch.com.br ou mesmo nos comentários ou até mesmo diretamente comigo com Ruy Guerra: clubedoconcreto@gmail.com

Visite o site da WCH aqui: www.wch.com.br


Weiler - C. Holzberger  Industrial Ltda - Tel.: ++ 55 (19) 3522-5903 / 5904 w  Fax: (19) 3522-5905  w e-mail: wch@wch.com.br
Rua Alfa, nº 400 – Dist. Industrial – CEP:13505-620 Rio Claro – SP – Brasil  -  www.wch.com.br
Leia Mais

Faça Protendidos !!





O Clube do Concreto inicia uma série de publicações, FAÇA PROTENDIDOS!! Tudo visando a orientar as necessidades para se implantar uma Indústria de Protendidos seja de Lajes Alvolares, Vigotas, etc explicando as suas principais vantagens.

As publicações seguem as orientações da WCH - Weiler  que produz uma linha completa de equipamentos para a produção de elementos protendidos.

A WCH desenvolveu uma extensa linha de produtos visando atender a todas as áreas de produção aplicando novas tecnologias, criando e produzindo máquinas e equipamentos de alta qualidade.

A WCH está apta a fornecer a seus clientes desde uma Central de Concreto totalmente automatizada, linhas de produção com Moldadora Deslizante, Moldadora tipo Wet Casting, Extruder, Máquinas de Corte, Fôrmas Metálicas além de todo tipo de Equipamentos Auxiliares, até o menor acessório.

A necessidade da área industrial os equipamentos e suas performances, implantação de seu Layout, como obter os projetos estruturais e consultorias, tudo será discutido em várias publicações.  

Você pode tirar as suas dúvidas diretamente na WCH com Wagner:  wagner.soares@wch.com.br ou mesmo nos comentários ou até mesmo comigo Ruy Guerra: clubedoconcreto@gmail.com.
Visite o site da WCH aqui: www.wch.com.br




Weiler - C. Holzberger  Industrial Ltda - Tel.: ++ 55 (19) 3522-5903 / 5904 w  Fax: (19) 3522-5905  w e-mail: wch@wch.com.br
Rua Alfa, nº 400 – Dist. Industrial – CEP:13505-620 Rio Claro – SP – Brasil  -  www.wch.com.br



Leia Mais

Mesa de café com concreto e vidro


Esta é a minha primeira tentativa de fazer móveis de jardim ao ar livre.

Eu formei o topo nas pernas de cedro 4x4. O topo de concreto é de 2 centímetros de espessura com uma borda adicional de 1 polegada. Depois que eu misturei e despejei o cimento do que acrescentei nas garrafas de vinho esmagadas. 

Mesa antes de polimento molhado.

Tampo da mesa após a primeira rodada de polimento. O topo tem 2 pés por 4 pés.


Esta é uma foto para mostrar como eu fiz a base.

Acabei de polir molhado.

Produto final. Eu ainda preciso aplicar selador para o base e o topo.

Leia Mais

Vaso de concreto auto-regavel




Não podemos manter plantas vivas. Então hoje estamos fazendo um plantador de concreto auto-irrigado na esperança de que as plantas cuidem de si mesmas haha!!

Apenas o nosso plantador tem algumas curvas e ângulos engraçados por isso usamos uma impressora 3D para fazer a forma do molde, que nem todos têm acesso. Mas você poderia ter o mesmo princípio e fazer um molde com bordas retas / cantos de madeira. Os seguintes passos ainda se aplicam.

Este plantador será feito de duas partes: um reservatório de água no fundo, e um pote superior para a planta (pote de cima para baixo é o pote superior!) Há um buraco no fundo do pote superior com um pavio que vai através dele e bebe água do reservatório, para que a sua planta receba apenas a pequena quantidade de água necessária a qualquer momento. Isso é especialmente impressionante para plantas que não precisam de muita água.

A área recuada no pote superior lhe dá espaço para derramar um pouco de água no reservatório e permite que você olhe facilmente e veja se sua água está baixa. É grande o suficiente para que a planta demore um pouco para usar toda a água, então você não deveria ter que verificar isso com muita frequência! Você pode baixar nosso arquivo 3D que usamos em um link na descrição do vídeo no YouTube

Existem algumas maneiras de fazer um molde. Se você fizer um de madeira, estará essencialmente criando um formulário para conter o concreto, derramando o concreto, deixando-o endurecer e removendo o formulário.

Para obter essa forma muito específica, estamos usando impressões 3D em vez de madeira. A diferença é que não estamos despejando concreto diretamente em um molde impresso em 3D - estamos despejando silicone nele e depois despejamos concreto no silicone. Portanto, é um passo extra, mas torna possível essa forma estranha e o molde de silicone é reutilizável, para que possamos fazer múltiplos (se tentássemos remover o concreto de uma forma impressa em 3D, isso estragaria a impressão).

Impressões 3D não são inerentemente grandes como moldes em termos de rugosidade de superfície, então suavizamos com uma combinação de primer de preenchimento automotivo e muito lixamento. Definitivamente recomendo uma esponja de lixamento, porque eles são flexíveis, e se você precisar de algo que pode entrar em espaços apertados nossa lixadeira flap DIY é realmente fácil de fazer. Depois de algumas demãos de primer e rodelas de lixamento, deve ser suave o suficiente.

Você notará que temos os dois modelos impressos em 3D (o pote superior e o reservatório de água inferior) e, em seguida, um formulário que circunda cada um deles. O formulário é usado para conter o silicone à medida que você o derrama sobre os modelos impressos em 3D. Isso deixa um espaço vazio onde os modelos estão, então quando o silicone estiver pronto, teremos espaços em forma de modelo para despejar concreto.

Colamos nosso modelo na base do nosso formulário e usamos elásticos e fitas para segurar a forma em torno dele. E fita. Muitas e muitas fitas.

Para silicone usamos Smooth-On de duas partes. Siga as instruções e misture partes iguais juntas (a parte rosa e a parte azul se misturam para fazer um roxo), e depois despeje. Felizmente, é realmente indulgente, já que você verá no vídeo que não fizemos esse passo direito nossa segunda rodada. 

Agite o molde para obter o silicone para assentar e remover as bolhas de ar. Nós batemo-lo repetidamente nas laterais e, às vezes, colocá-lo em um pedaço de madeira e bater um martelo sobre o pedaço de madeira.


Nós fizemos estes passos para a nossa peça de cima e nossa parte de baixo. Depois que eles secaram, removemos as partes impressas em 3D, mas foi um pouco difícil: descobrimos que tínhamos um buraco no molde e ele estava realmente preso. Para o buraco, misturamos um pequeno lote de silicone extra e remendamos.

 Trabalhou como um encanto! Para removê-lo, fizemos um corte controlado em zig zag (os zig zags são mais fáceis de serem colocados juntos do que os cortes retos), mas ainda assim acabaram rasgando. A boa notícia é que ainda conseguimos que funcione (continue lendo!)

Depois de descobrir o molde, fazer o concreto foi fácil! Se você já leu / assistiu a quaisquer tutoriais concretos antes, pode perceber que estamos usando um produto muito diferente da norma: Quikrete Vinyl Concrete Patcher. Nós o escolhemos porque tem um grão fino (que lhe dá um acabamento de superfície agradável e preenche formas mais detalhadas) e porque você pode comprar um lote relativamente pequeno de cada vez.

Antes de começar, coloque um pedaço de madeira sobre a superfície de trabalho. Isso protege sua mesa e ajuda você a agitar o molde mais tarde. Pegue uma máscara de pó e algumas luvas (não é o fim do mundo se ele ficar em suas mãos, mas você não quer respirar em qualquer pó de concreto).

Entramos em mais detalhes sobre como fazer com que seu concreto seja a combinação certa em nosso tutorial de carta concreta , mas abordaremos o básico aqui.

Adicione uma pequena quantidade de água e algumas colheres grandes de concreto a um recipiente de mistura ou balde. Um pouco de água vai um longo caminho, então continue adicionando um pouco mais de água e mais algumas colheres de concreto até chegar a ser a consistência de massa de panqueca de areia (delicioso)! É fácil adicionar acidentalmente muita água. Para verificar se você tem muito, agite o recipiente de mistura e o excesso de água subirá para a superfície. Se você ver a água acumulando um pouco no topo, adicione um pouco mais de mistura de concreto.

No total, você precisará misturar por 2 a 3 minutos para garantir que tudo esteja incorporado. Em seguida, despeje-o em seu molde de silicone, enchendo-o um pouco, porque ele se acomodará nos cantos e recantos. Agitando o molde batendo nas laterais repetidamente ou batendo no pedaço de madeira, ele está sentado com um martelo. Uma vez que não há mais bolhas e não parece estar se acomodando, você está pronto para ir. (embora, honestamente, nós gostamos um pouco de algumas bolhas ... isso acrescenta algum interesse. Mas você não quer uma tonelada ou será um produto final mais fraco.)

Depois que o concreto secar (damos cerca de 24 horas), descasque cuidadosamente o silicone e você mesmo terá um plantador! Se eles ainda estiverem úmidos, mantenha-os em uma superfície que pode ser confusa, como o seu pedaço de madeira de antes. Se você colocar estes em algo absorvente, eles vão deixar manchas de umidade.


Quando nosso concreto estava completamente seco, nós o alisamos com um último lixamento de luz. Mais uma vez, a esponja de lixamento e a lixadeira eram nossos melhores amigos.

O próximo passo é tornar este plantador auto-rega. Nós escolhemos a corda poli para fazer o pavio. Usamos um pouco de alvenaria em nossa broca que era apenas um pouco maior que a corda para perfurar dois furos na parte inferior da parte superior da plantadeira.

Antes de enfiar a corda nos buracos, aplicamos duas camadas de selante de concreto. Uma vez que esses plantadores estarão contendo água e sujeira, não queremos nada absorvendo o concreto. Escovamos um casaco leve e deixamos secar por cerca de uma hora, depois aplicamos um segundo. Após 72 horas de tempo seco você pode colocar água (eu sei, muito tempo seco neste tutorial!)

Então nós estendemos a corda e queimamos as pontas para que não se desgastassem. Nota: não sabemos se queimar as pontas foi uma boa ideia ou não. Algumas pessoas disseram que deixá-los brigar vai permitir que mais água seja absorvida, o que faz sentido. Mas podemos facilmente voltar e cortar as pontas ou cortar uma nova peça.

Colocamos um pouco de sujeira sob a nossa corda para que houvesse mais contato com a superfície, depois envasamos nossas plantas. Polegares pretos = esperançosamente derrotado!

Colocamos um pouco de sujeira sob a nossa corda para que houvesse mais contato com a superfície, depois envasamos nossas plantas. Polegares pretos = esperançosamente derrotado! Amando nosso plantador auto-rega e tem planos para fazer mais alguns com o nosso molde. Deixe-nos saber se você tem alguma dúvida sobre este projeto! (PS - é difícil julgar o preço disso. Cada material que você usa acaba sendo usado por um pequeno plantador. Você precisa de cerca de US $ 80 em materiais, mas eles podem ser usados ​​para várias coisas após este projeto.)

https://www.hometalk.com/post/32126139/media?id=4309204
Leia Mais

179 Lições que Aprendi como Projetista de Estruturas (Novo Link)

O que ensinam os Engenheiros do Grupo Calculistas - Brasil

As Lições que encontrarão no texto expressam a experiência rica e diversa, sincera e autêntica, de um representativo número de engenheiros projetistas de estruturas de concreto e metálicas, de inúmeras partes desse país, que já exercem essa atividade profissional há alguns anos. Dentre esses, contam-se veteranos, engenheiros de longa data, com muitas histórias e ensinamentos a oferecer.

Não esperem encontrar unanimidades, mas sim lições diversas, às vezes controversas, que compõem o realismo do cenário multicolorido de experiências vividas. Não duvidem, no entanto, de sua veracidade nem de sua generosidade, pois brotaram, espontaneamente, da memória e do amor pela profissão.

Não esperem, também, encontrar nessas Lições um Manual de Procedimentos de Cálculo Estrutural, pois as confissões registradas nessas lições são sintéticas, retratos isolados da experiência profissional, de queixas, de fracassos, de sucessos e de aprendizados, que estão aí para serem entendidas, julgadas, assimiladas e convertidas, se possível, em sinalizações úteis de salvaguarda profissional.

Um fato, no entanto, deve restar bem claro: essas Lições são uma conversa íntima entre colegas de profissão e pressupõem que seus leitores atravessam hoje as mesmas dificuldades que as frutificaram ou são aqueles que vislumbram dar os primeiros passos nessa desafiadora estrada.

A importância desse inédito e valioso documento se fortalecerá com o passar dos anos, pela sua representatividade histórica no cenário de nossa profissão nesse venturoso ano de 2015.

O mérito pela iniciativa dessas Lições cabe inteiro ao colega e dileto amigo Justino Vieira, que as sugeriu e as exemplificou com sabedoria e humor.

A. C. R. Laranjeiras Engenheiro de Estruturas
28/02/2015


582 vis em 21/02/2019
Baixe Aqui e veja as lições que foram aprendidas por vários calculistas do Brasil:

https://pt.scribd.com/document/400187633/179-Licoes

Leia Mais

Cronograma de construção Modelo Excel




Projetos no campo de construção sempre têm muitas formas e os diferentes destinos que têm uma ordem específica devem ser respeitados. Os alvos críticos devem ser cumpridos no seu tempo ou isso fará com que um atraso em todos os alvos dependa deles.

Se você usar este modelo de projeto de construção, poderá rastrear todas as metas do projeto e seu progresso. Com esse modelo, você pode listar diferentes tarefas em seu projeto e acompanhar o horário inicial e final das atividades.


 


BAIXE AQUI
Leia Mais

Modelos de gerenciamento em Excel



Excel são muito importantes para os gerentes, pois é muito difícil gerenciar os projetos de construção. Eles exigem um monte de partes interessadas, detalhes e documentação. 

Portanto, fornecemos mais de 15 modelos gratuitos de gerenciamento de construção do Excel para fazer o download. 


Os modelos envolvem:
  • Linha do tempo da construção
  • Orçamento de Construção
  • Estimador de construção
  • Modelo de tabulação de lance
  • Resumo do modelo de ofertas
  • Subcontractor Documentation Tracker
  • Rastreador de Documentação de Construção
  • Relatório de inspeção diária / semanal
  • Modelo de pagamento de progresso do contratante
  • Resumo da solicitação de mudança
  • Alterar log de pedidos
  • Pedido de registro de informações
  • Cronograma do Projeto de Remodelação Residencial
  • Formulário de folha de pagamento de salário e hora certificada
  • Fatura de tempo e materiais
  • Lista de Punch do Projeto
  • Lista de verificação de encerramento do projeto
  • Gerenciamento de Construção com o Smartsheet

 

BAIXE AQUI 
Leia Mais

Traço de concreto: a importância da água para a mistura do material


A água é um dos principais materiais da engenharia, seja como componente ou como ferramenta. Ela está presente na mistura do concreto e da argamassa e também é usada para fazer o resfriamento e a limpeza dos materiais usados na obra. Conhecida como solvente universal, influencia diretamente na qualidade e segurança da obra. No traço de concreto, por exemplo, ela tem tanta importância quanto o cimento. Descubra abaixo porque esse processo depende tanto da água e como é importante dosá-la bem. 

A importância do fator água/cimento no traço de concreto

A relevância dessa relação foi descoberta há quase um século por Duff A. Abrams, especialista de concreto nos EUA. Na experiência final, após inúmeros ensaios em diversas composições de mistura, a relação entre água e cimento mostrou-se a medida mais importante. Sua influência foi notada na resistência, durabilidade e retração do concreto. Ao transformar os materiais em uma pasta, a água determina a estrutura interna.


Qualidade da água


De um modo geral, toda água que pode ser bebida serve para fazer concreto, mas materiais orgânicos prejudicam a durabilidade da estrutura, resultando no aparecimento de manchas. Assim, águas que contenham açúcar dissolvido ou sulfato (sais de enxofre) não são indicadas na fabricação do cimento. A água de abastecimento público, por exemplo, atende aos critérios necessários, constatados na ABNT NBR 15900 – Água para amassamento do concreto.

É importante lembrar que a água para fazer concreto deve estar limpa. O vasilhame utilizado para seu transporte – como todo objeto que entrar em contato com a mistura – deve ser armazenado corretamente para evitar a contaminação com óleos, graxas, açúcar, sal, serragem etc.


Dosagem de água: nem muita, nem pouca


A qualidade do concreto está diretamente relacionada ao fator água/cimento (A/C). A função da água é hidratar o cimento, evitando o estado “farofa” e possibilitando um aspecto pastoso, mas sem transformar o material em uma sopa. Para que se cumpra seu objetivo, o líquido deve ser adicionado em quantidades específicas.

A precisão dos cálculos de água por cimento é feita por meio do estudo de dosagem, que precisa analisar o objetivo daquele concreto. De modo geral, os números vêm da seguinte equação:


 Quanto menor o valor da relação A/C, maior a resistência do concreto, menor sua permeabilidade e maior a durabilidade e a qualidade.


Problemas de falta de controle


O controle sobre a dosagem do fator A/C é fundamental. A água em excesso tende a escorrer durante a mistura ou, se a mistura for vedada, ela tende a subir para a superfície do concreto. Quando isso ocorre, ela não escapa sozinha: leva também cimento e a parte fina da areia. Além disso, o excesso de água pode causar fissuras no concreto que surgem na retração durante o endurecimento da estrutura.

No caso de falta de água, os processos de lançamento (do concreto no local em que vai ser feito) e adensamento (processo de eliminação do ar e dos vazios contidos na massa) são dificultados, provocando falhas de concretagem e comprometendo a qualidade do material. Por esses motivos, é tão importante controlar a quantidade de água – porque, ao fazer isso, você estará controlando também a consistência do concreto, garantindo que suas propriedades sejam mantidas conforme planejado.


Controle da cura


A cura do concreto é um procedimento fundamental que deve ser iniciado imediatamente após a concretagem, com lançamento de água aos poucos sobre a superfície concretada . A cura é a hidratação do concreto e o procedimento de proteção para minimizar a perda de água. Ela não é um processo rápido: o concreto deve ser mantido úmido por pelo menos sete dias (foto).


A CURA DO CONCRETO É IMPORTANTE PARA EVITAR PROBLEMAS COMO FISSURAS. 


Equipamentos


Existem diversos equipamentos que auxiliam no controle da quantidade de água adicionada à mistura. Cada um é mais adequado a um tipo de construção.

Em obras pequenas: normalmente o concreto é produzido manualmente. Para controlar a quantidade de água, um balde graduado ou de volume conhecido pode resolver.


O BALDE GRADUADO É IDEAL PARA AS PEQUENAS OBRAS. 

Em obras médias: o mais indicado é a proveta graduada, equipamento utilizado quando a massa é produzida na betoneira, e os agregados são adicionados por meio de padiolas.


PROVETA GRADUADA É INDICADA PARA OBRAS MÉDIAS. 

Em obras grandes: usam-se os materiais de maior precisão, como os hidrômetros (instalados nas centrais dosadoras e nos caminhões betoneira) e as balanças para medição de cada elemento adicionado ao traço de concreto. 


PARA GRANDES OBRAS, OS “RELÓGIOS” HIDRÔMETROS SÃO INSTALADOS EM CANOS DOSADORES E NAS BETONEIRAS. 


Materiais


Não só de água e cimento se forma um traço de concreto. A escolha correta dos demais agregados, inclusive, ajuda a obter um fator água/cimento menor. Saiba o que levar em consideração:

Areia: é fundamental que seja do tipo média. Aqui vale a mesma dica da água: não pode estar suja e eve ser transportada em recipientes limpos. Folhas, raízes, pedaços de tronco de árvore, carvão, óleo, açúcar, sal e terra diminuem a resistência do concreto.

Brita: assim como no caso da areia, os excessos de pó, terra, restos vegetais e outras sujeiras são prejudiciais para o resultado final da mistura.

Cascalho: é uma opção que substitui a brita, porém, é preciso tomar o cuidado de enriquecer a mistura do concreto adicionando mais cimento, já que a aderência da pasta com a pedra é menor.

Como vimos, não existe traço de concreto sem água. Também é fundamental que o fator água/cimento esteja bem planejado antes da obra e seja calculado especificamente para uma determinada construção. Sem água, o cimento torna-se improdutivo e, sem cimento, uma obra não “anda”.


Em breve varias publicações estarão na loja do Clube sobre dicas de todos os pre fabricados e para a sua fabrica. 
Leia Mais
 
Clube do Concreto | by TNB ©2010