1 2 3 4

Propriedades Geométricas no AutoCAD



      Como todos sabem, toda figura tem suas características geométricas como por exemplo, área, perímetro, centróide, momentos de inércia e etc. Para algumas figuras, encontramos facilmente suas características geométricas através de simples cálculos, mas para figuras mais complexas com grande quantidade de curvas e irregularidades se torna muito mais difícil de encontrar tais características pois são necessários cálculos de área utilizando integrais.

      O AutoCAD pode auxiliar a encontrar as características geométricas de qualquer figura "fechada" independente de sua complexidade e é isso que vamos aprender a seguir:


1° Passo: Primeiramente precisamos ter uma figura "fechada". O que significa uma figura fechada? Significa que a figura não deve possuir início nem fim, ou seja, seus pontos inicial e final devem estar interligados no final, caso contrário não poderemos criar uma região como descrito no segundo passo.

2° Passo: Depois de ter escolhido a figura respeitando os requisitos acima, criaremos uma região. Para criar a região devemos clicar no ícone Region da barra de ferramentas Draw e logo em seguida selecionar nossa figura. Fazendo isso na linha de comando do AutoCAD irá aparecer a informação 1Region Created.

3° Passo: Depois de criada a região, devemos digitar MASSPROP no AutoCAD Inglês ou PROPMASS no AutoCAD em Português. Fazendo isso será aberta uma janela com as informações sobre as características geométricas de nossa figura.

Publicação de (exceto figura):
Leia Mais

História da Protensão


            A arte do concreto protendido tem evoluído ao longo de muitas décadas e de muitas fontes, mas podemos apontar alguns exemplos selecionados da história que levaram a esta tecnologia.

            No Estados Unidos, o engenheiro John Roebling estabeleceu uma fábrica em 1841 para fazer a corda de fio de ferro, que ele inicialmente vendido para substituir a corda de cânhamo usado para içar vagões pela ferrovia Portage no centro da Pensilvânia. Mais tarde, Roebling utilizados cabos de cabos de suspensão para pontes, e ele desenvolveu a técnica para girar os cabos no lugar.

            Ao longo do século 19, baixo custo de produção de ferro e de aço, quando adicionado a invenção de cimento portland , em 1824, levou ao desenvolvimento do concreto armado. Em 1867, Joseph Monier , um jardineiro francês, patenteou um método de fortalecer vasos de concreto fino, incorporando tela de arame de ferro no concreto.Monier depois aplicou suas idéias para patentes de edifícios e pontes.

            Engenheiro suíço Robert Maillart uso do concreto armado, a partir de 1901, efetuou uma revolução na arte estrutural. Maillart, cuja totalidade das pontes principais estão localizados na Suíça, Foi o primeiro estilista a romper completamente com a tradição de alvenaria, colocando concreto em formas tecnicamente adequadas às suas propriedades - ainda visualmente surpreendentes. Seu uso radical de concreto armado revolucionou arco do projeto de alvenaria da ponte.

            A idéia de concreto pré-esforço foi aplicado pela primeira vez por Eugene Freyssinet, um engenheiro estrutural e civil francês, em 1928, como um método para superar a fraqueza natural do concreto em tensão. O concreto  pré-esforçado agora pode ser usado para produzir vigas, pisos ou pontes com uma extensão de mais tempo do que é prático, com concreto armado comum.

Concreto Pré-esforçado 
          Como o concreto armado, é um material compósito, que utiliza a vantagem da resistência à compressão do concreto, embora contornando a sua fraqueza em tensão. Pré salientou concreta é feito de concreto estrutural, geralmente de alta resistência, e tendões de aço de alta resistência, que podem ou não podem ser agrupados em conjunto. Antes do carregamento externo os tendões são esticados em uma de duas maneiras. Com pré-tensão no tendão são tensionados antes da emissão do concreto e usando técnicas de pós tensionamento os tendões são esticados após o concreto tenha endurecido. Alguns aço de reforço comum também é freqüentemente incluída tanto armadura longitudinal como subsidiária e como estribos transversais para resistir ao cisalhamento.

           Concreto pré-esforçado é um método para superar concreto fraqueza natural "s em tensão . Ele pode ser usado para produzir vigas , pisos ou pontes com maior extensão do que é prático, com concreto armado comum. Tendões pré-tensionamento (geralmente de elevado à tração do aço cabo ou varetas) são usadas para fornecer uma carga de sujeição, que produz uma tensão de compressão , que compensa o esforço de tração que o membro de concreto a compressão seria de outra experiência, devido a uma carga de flexão. Características do concreto armado é baseado no uso de aço de barras de reforço, dentro do concreto derramado. O objectivo básico de pré-esforço é de melhorar o desempenho dos elementos de concreto e isto é conseguido através da indução da deformação inicial do feixe e tensões que tendem a neutralizar os produzidos pelas cargas de serviço.

                                                   

            
Desde que o concreto é fraco em tensão normais reforçou-se na zona de tensão em cargas de trabalho e, portanto, todos concreto em tensão é ignorada em design.

             Pré-esforço envolve induzindo tensões de compressão na zona, o que tenderá a tornar-se elástica sob cargas externas. Esta tensão de compressão neutraliza o esforço de tensão de modo a que não exista tensão resultante, (ou somente valores muito pequenos, na resistência à tração do concreto). Cracking é, assim, eliminado sob a carga de trabalho e todos do concreto pode ser assumido ser eficaz na aplicação de carga. Portanto secções mais leves pode ser usado para realizar um determinado momento de flexão, e concreto pré-esforçado pode ser utilizado durante mais tempo do que o intervalo do concreto armado.

            A força de pré-esforço também reduz a magnitude da tensão principal de tração na web de modo que, com membranas finas I - seções podem ser utilizadas sem o risco de falhas de tensão diagonais e com ainda mais economia em auto-peso.   

            A força de pré-esforço que deve ser produzido por um aço de alta resistência, e que é necessário o uso de cimento de alta qualidade para resistir às tensões de compressão mais elevadas que são desenvolvidos. Como o próprio nome sugere pré-esforço é a técnica de sublinhar um elemento estrutural antes do carregamento para resistir a esforços de tração excessivos.

As vantagens da pré-esforçado concreto como material de construção em vários quadro andares podem ser listados da seguinte forma:

·      A utilização máxima de secção desde do membro.
·     Prestação de membro delgado para vigas útil longa, em comparação com RCC.
·     Uso de materiais de alta resistência contribuir para a durabilidade da estrutura.
·      Pré-salienta concreto tem uma resistência considerável e resistência ao impacto.
·    Prova ser econômico apenas em quadros viga-pilar de longa extensão, em comparação com outros materiais.
·      A distância intermediária entre as colunas pode ser aumentada através da utilização de concreto pré-esforçado, em comparação com o concreto armado de cimento.
·     Disposições de projeto de arquitetura e especificações pode ser conseguido usando concreto pré-esforçado.
·    Massa de concreto é reduzida a uma taxa mais elevada usando concreto pré-esforçado.

PRINCÍPIO DA protensão

A função de pré-esforço é colocar a estrutura de concreto sob compressão nas regiões onde a carga provoca tensão de tração. A tensão causada pela carga primeiro terá que cancelar a compressão induzida pelo pré-esforço antes que ele possa quebrar o concreto. Figura (a) mostra um feixe simples vão de concreto reforçado e claramente cantilever fixo rachado sob a carga aplicada. Figura (b) mostra os mesmos raios descarregados com as forças de pré-esforço aplicado, sublinhando tendões de alta resistência. Ao colocar a pré-tensão baixa no feixe simples de alta amplitude e na viga cantilever, a compressão é induzida nas zonas de tensão; criação de camber para cima.

Figura (c) mostra as duas vigas pré-esforçadas cargas após ter sido aplicada. As cargas de causar tanto o feixe simples-span e cantilever para desviar para baixo, criando tensões de tração na parte inferior da viga simples-span e superior da viga em balanço. O Designer estrutural equilibra os efeitos da carga e pré-esforço, de tal forma que a tensão da carga é compensada pela compressão induzida pelo pré-esforço. A tensão é eliminada sob a combinação dos dois e fissuras de tensão são impedidos. Além disso, materiais de construção (concreto e aço) são usados ​​de forma mais eficiente; materiais otimizando, esforço de construção e custo.


Fig 1 - Comparação das armado e protendido vigas de concreto

            Pré-tensionamento pode ser aplicada a elementos de concreto de dois modos, por um pré-tensor ou de pós-tensionamento. Em membros pré-tensionados os fios pré-esforço são tensionados contra anteparas de contenção antes de o concreto é lançado.Após o concreto ter sido colocado, deixou-se endurecer e alcançar uma resistência suficiente, os cordões são libertados e a sua força é transferida para o elemento de concreto. Pré-esforço por pós-tensão envolve a instalação e sublinhando vertente ou bar tendões pré-esforço somente após o concreto foi colocado, endurecidos e alcançaram uma resistência à compressão mínima para essa transferência.

MÉTODOS e sistema de pré-esforço

Existem dois métodos do  concreto pré-esforçado:
1) Pré-moldado Pre-tensionada
2) Pré-cast pós-tensionada


Ambos os métodos envolvem cabos de tensão dentro de uma viga de concreto e depois de ancoragem dos cabos estressados ​​ao concreto.


Pré-cast pré-tensionados: 

            Pré-tensionamento é um método de pré-esforço em que os tendões de aço são tensionadas antes de o elenco do membro. Neste método, os tendões são tensionados usando macacos hidráulicos, que incidem sobre os pilares fortes entre as quais os moldes são colocados. Após o concreto atinge máxima força os tendões são liberados eo estresse é transferido para o concreto por ação vínculo.

Procedimento de pré-moldado concretagem pré-tensionadas

Fase 1
Os tendões e das armaduras estão posicionados no molde da viga.
                          

Stage 2 

Tendões são forçados a cerca de 70% de sua força máxima.
                   

Stage 3 

O concreto é lançado no molde do feixe e permitiu a cura para a força inicial necessário.
                  

Fase 4 

Quando o concreto tem curado a força salientando é liberado e os tendões se ancorar no concreto.
                    

Pré-cast pós-tensionado: 

            Pós-tensionamento é um método de pré-esforço em que os tendões de aço são esticados após o vazamento do membro. Neste método de condutas ou bainhas são colocados no perfil pretendido no molde e os tendões são passados ​​através das condutas.Depois que o concreto tenha alcançado força suficiente os tendões são esticados usando macacos hidráulicos que incidem sobre o próprio membro. O estresse é transferido para o concreto pela ação dos tendões que são ancorados usando fixações adequadas tendo.Finalmente as condutas estarem rebocada e as placas de ancoragem oculta por argamassa de cimento.

Procedimento de pré-moldado concretagem post tensionada

Fase 1

dutos de cabos e reforço são posicionados no molde do feixe. As condutas são geralmente levantado na direcção do eixo neutro nas extremidades para reduzir a excentricidade da força salientando.
                  
         

Fase 2

O concreto é lançado no molde do feixe e permitiu a cura para a força inicial necessário.
            

Fase 3

Tendões são segmentadas através dos dutos de cabos tensionados e para cerca de 70% de sua força máxima.
             

Fase 4
Plataformas são inseridos nas fixações de extremidade e a força de tensão nos tendões é libertado. Grout é então bombeado para dentro das condutas para proteger os tendões.
                     

 

Acesse o original:

http://constructionduniya.blogspot.com.br/2012/02/prestressing-method-in-multi-storied.html

Leia Mais

Planilha para Honorários de referência para Projetos de Estruturas

Esta é uma planilha para os Honorários de referência com três exemplos em suas pastas.
Também segue abaixo um link da tabela atualizada do CUB.

Link CUB do Rio Grande do Sul:
http://www.sinduscon-rs.com.br/wp-content/uploads/2014/08/Pre%C3%A7o-e-Custos-da-Constru%C3%A7%C3%A3o-1-SETEMBRO-2014.pdf

Link planilha:
http://minhateca.com.br/clubedoconcreto/Honor*c3*a1rios+de+Refer*c3*aancia,98282894.xls


Leia Mais

Planilha para capacidade portante de estacas using SPT Values

Esta está em Inglês,  e calcula a armadura da estaca, estude para ver se está de acordo com nossas normas
Baixe aqui:

http://minhateca.com.br/clubedoconcreto/Pile-Design-Using-SPT,97203305.xlsx



Leia Mais

Planilha de capacidade portante de estacas

Esta é uma planilha da Itália para capacidade portante de estacas, baixe aqui:

Leia Mais

Execução de alvenaria estrutural

Blocos devem chegar paletizados e cada lote deve conter identificação por numeração ou por cores

Por Aline Mariane

A execução adequada de paredes de alvenaria estrutural começa com a sistematização de todo o processo ainda na fase de projeto. "O projetista vai definir qual é a capacidade de resistência desses blocos e também o graute, assim como as ferragens vertical e horizontal", explica Dauro Robério Brandão, engenheiro da Toctao Engenharia.
O planejamento deve incluir cuidados com a gestão do recebimento e armazenagem no canteiro, a aferição das características dos blocos, a movimentação adequada e a marcação certeira da primeira fiada.
Veja a seguir as principais etapas da execução de uma parede de alvenaria estrutural.
ILUSTRAÇÃO: DANIEL BENEVENTI
ILUSTRAÇÃO: DANIEL BENEVENTI
1. Logística
O bloco já deve vir paletizado e identificado por lote, com numeração ou cores diferentes. É importante tomar cuidado ao realizar o empilhamento, nunca empilhando mais que dois paletes. O descarregamento pode ser realizado manualmente ou com o auxílio de gruas e guindastes. Quando o serviço for realizado manualmente, a altura das pilhas não deve exceder o limite de alcance dos operários.
2. Teste
Ao chegarem ao canteiro, os blocos já devem ter sido analisados pelo controle de qualidade da fornecedora, de forma que cada lote apresente uma ficha de verificação com especificação de suas características, como resistência. A construtora pode tirar novas amostras e realizar ensaios em outro laboratório, para garantir que os dados estejam corretos.
3. Movimentação
Os blocos devem ser descarregados em área próxima ao local de execução. Sua movimentação horizontal e vertical pode ser realizada com prancha e elevador ou, se ainda paletizados, por meio de guindaste ou grua. É importante que um encarregado oriente o direcionamento correto dos blocos nas áreas onde serão empregados.
4. Posicionamento das fiadas
A marcação da primeira fiada é orientada pelo eixo da edificação, que divide ao meio a laje sobre a qual a parede será executada. As ferragens também indicam onde os blocos devem ser posicionados. É importante que o posicionamento seja feito corretamente desde a primeira fiada, a fim de evitar erros ao subir a parede. A execução começa pelos cantos, até a altura da sétima fiada. Cada bloco recebe duas faixas paralelas e faixas transversais de argamassa de assentamento. O alinhamento deve ser verificado continuamente com a régua. Também é importante verificar o esquadro.
5. Grauteamento
Os orifícios dos blocos atravessados por ferragens devem ser grauteados, formando pilaretes. O recorte na parte inferior funciona como janela de inspeção do grauteamento. Os profissionais devem limpar e lavar aquele furo e depois fazer o preenchimento com o graute. Depois que realizar este procedimento, outro funcionário, com uma furadeira, pode fazer furos de inspeção em várias alturas, para verificar a qualidade do preenchimento.
Colaboração: Dauro Robério Brandão, engenheiro da Toctao Engenharia; Reportagem: Alvenaria estrutural, Equipe de Obra 58
Leia Mais

Software SEOBRA



O SEOBRA é um software desenvolvido pela682 Soluções, na plataforma WEB para auxiliar os profissionais, órgãos públicos e empresas da área de Engenharia que elaboram, analisam e gerenciam orçamentos, montados com base nos insumos e serviços de tabelas oficiais de governo.

São os seguintes orgãos:SINAPI, SICRO (DNIT), SEINFRA-CE, SIURB-SP eFDE-SP, além disso poderá criar seus próprios insumos e composições. Em Breve outras fontes serão adicionadas.

Visite seu site e baixe o programa:




Empresas e profissionais que trabalham para Caixa Econômica Federal e Prefeituras,
analisando e criando orçamento, valorize seu tempo, tenha em poucos minutos
o resultado da análise de seu orçamento, conforme abaixo:


  • Análise de Pareto
  • Exportação para Excel(xls).
  • Quantidade de itens repetidos.
  • Quantidade de itens com valor unitário divergente.
  • Quantidade de itens com descrição divergente.
  • Resumo por fonte.
  • Comparativo entre 2 (dois) orçamento
  • Leia Mais

    Concreto Armado - capacidade ULS sob carga axial combinado e flexão desviada




    Planilha (revisada) para analisar secções sujeitas a bi-axial flexão e seções não simétricas. A nova versão faz uso de rotinas para dividir qualquer seção definida por coordenadas XY em camadas trapezoidais, descritos aqui A nova versão (ULS Projeto Funções-biax.xlsb ) foi adicionada ao arquivo zip juntamente com a versão anterior, e pode ser baixado a partir deULS Projeto Functions.zip , incluindo o código completo de código aberto.
    Pode baixar aqui também:
    Não deixe de fazer uma visita em seu site:
    Entrada e resultados para uma ampla seção retangular, sujeito a bi-axial flexão e carga axial, são mostrados na imagem abaixo:
    Biax-1
    A direção do momento aplicado é definido por MX e MY, então o ângulo de eixo neutro é ajustado para que a força de reação e momentos estão em equilíbrio com as cargas aplicadas, clicando no botão "Adjust NA Angle".
    A seção de concreto é definido por coordenadas XY de cada canto, listados no sentido horário, eo reforço é definido em camadas, digitando as coordenadas do início e fim de cada camada: Para cada camada o número de bares e diâmetro da barra são definido, em conjunto com as propriedades do aço para a primeira camada, e qualquer subsequente camada com propriedades diferentes. Também é possível especificar uma força de pré-esforço para qualquer camada.
    Biax-2
    A secção hexagonal abaixo demonstra que, para uma secção simétrica do ângulo do eixo do momento resultante é paralelo ao ângulo de eixo neutro, como seria de esperar:
    Biax-3
    É possível definir qualquer forma complexa, tal como a viga de ponte prefabricados de Super-T mostrados abaixo:
    Biax-T1
    É também possível definir formas com vazios internos, como mostrado abaixo, listando os cantos do vazio no sentido anti-horário. Neste caso, a linha tem de ser contínua do início ao fim, e a ligação entre a linha exterior e o vácuo deve ser feita com duas linhas separadas, com uma muito pequena separação, de modo que as linhas separadas ou não sobrepor-se a qualquer ponto de cruzamento. Veja o exemplo no arquivo de download para mais detalhes.
    Biax-T2
    Dados de saída mais detalhada é fornecida na folha "UMom Out", em um formato semelhante à versão anterior.
    Biax-6
    A análise é realizada por duas funções definidas pelo usuário (UDF), UMom e UMomA.UMom fornece a saída detalhada mostrada acima para obter um único conjunto de cargas aplicadas. UMomA retorna qualquer um dos valores de saída disponíveis para uma variedade de cargas axiais aplicadas, e um único valor ou gama de direcções eixo neutro.Ambas as funções retornam uma matriz de valores, e deve ser inserida como uma função de matriz, conforme descrito em Usando funções de Array e UDFs .
    Utilização da função de UMomA permite a rápida geração de diagramas de interacção, tal como mostrado nas figuras abaixo:
    Biax-7

    Biax-8

    Leia Mais

    Programa para sapata combinada

    Leia Mais

    Planilhas e programa para propriedades geométricas

    Tenho estudado bastante cálculo de protendido e tenho estas planilhas que podem ter utilidade para seu cálculo.  Vou fazer uns pacotes de planilhas sobre cada assunto, será bom?

    Baixe aqui:

    http://minhateca.com.br/clubedoconcreto/3+PROP+GEOM,94695038.rar






    Leia Mais

    Programa dosagem concreto

    Leia Mais

    Como produzir a Laje Alveolar (1)

    Devido a sua principal vantagem, que é o processo de montagem muito simples e repetitivo a laje alveolar tem-se tornado de frequente utilização em obras. Pode-se mencionar também algumas outras vantagens:

    -Racionalização da Obra;
    - Redução do Prazo de Execução da Obra;
    - Garantia de Qualidade;
    - Maior Vida Útil da Obra.
    O rendimento de uma equipe de montagem com três operários pode chegar, sem dificuldade, a 50 m²/h, o que equivale a 400m² em oito horas de trabalho. 

    E quando concluída a montagem dos painéis alveolares, é possível o inicio imediato do preenchimento das juntas, seguindo a equalização e a execução de capa de concreto, sem ter a necessidade de qualquer escoramento dos painéis, em resumo a parte mais demorada e dispendiosa fica por conta do fabricante da estrutura.

    Mas, o que é uma laje alveolar?
    Segundo a Norma Brasileira, uma laje alveolar é uma peça de concreto produzida industrialmente, fora do local de utilização definitiva, sob-rigorosas condições de controle de qualidade.

    Esta laje se caracteriza por uma armadura longitudinal ativa, que engloba totalmente a armadura inferior de tração necessária e por ausência de armadura transversal de cisalhamento. 

    A seção transversal da laje é alveolar com a presença de almas de concreto e alvéolos formando vazios e deve seguir o que estabelece a Norma Brasileira NBR 12655.

    Mas, como se fabrica a laje alveolar?
    Existe três formas de se fabricar:

    -Em formas 
    -Em máquinas moldadoras
    -Em máquinas Extrusoras
    Sendo que produzidas em FÔRMAS as altura usuais são as H12, H16, H20 e H26 com a substituição das laterais e jogos de mangueiras, conforme desenhos dos perfis na imagem que está logo abaixo.

    Nesta publicação falarei apenas do processo de fabricação em FÔRMAS.

    São dois os processos de fabricação em FÔRMAS:
    1. Com o uso de imãs para fixar as laterais em pistas MONOLÍTICAS (semelhantes aos da máquinas).
    2. Com as fôrmas com pista metálica AUTOPORTANTE. 

    São os seguintes benefícios da pista AUTOPORTANTE:

    -Está pista está preparada para receber a fabricação com máquina, porque possui o trilho e Bisotê (bisotê é o chanfro longitudinal na face inferior);


    -Permite modulações de 49 m uteis de pista em função do comprimento máximo das mangueiras 50 m e da área disponível;


    -Pode ser removida de local, não se perde toda a fundação da pista (0,25m x 1,90m x C + armadura) e as fundações das cabeceiras (± 33m³ + armadura);


    -Não existe o retrabalho para implementar a produção com Máquina, porque a pista já contêm bisotê e trilho de rolagem em posição definitivas.


    -Pode ser adquirido com modulação de 49 m e futuramente pode-se ir aumentando com a colocação de mais módulos; nesse caso irá se perder somente a fundação de uma das extremidades (que tem cerca de 14 m³ ).


    A forrma Autoportante é utilizada para a fabricação de lajes alveolares com máquinas MOLDADORAS ou EXTRUSORAS ou FÔRMAS com a largura útil de 1,20 ou 1,25m, sendo pré-montada em módulos de 12m + módulo adicional para complementar o comprimento total, composta entre outros com:


    -Chapas de união nas extremidades de cada módulo, com furação para união dos módulos e passagem dos aços de protensão, para o pós-tensionamento da pista.


    -Chapa de revestimento plana, espessura 3/16, e reforços internos. 


    -Trilhos 1.1/2” x ¾” para Moldadora/Extrusoras.


    -Perfis laterais fresados (bisotê) em ângulo de 45 graus (8x8mm) para o acabamento inferior das laterais das Lajes, e inclinação nas laterais de 5 graus para facilitar a retirada das lajes ou painéis.


    -Parafusos/porcas para união dos módulos.


    -Sistema de fixação laterais.


    -Tubulação tipo serpentina para cura térmica (opcional).



    Os módulos devem ser concretados com a superfície superior para baixo, com armadura adicional de tela e concreto de 35 Mpa. Após a cura os módulos são desvirados, colocados nos apoios, unidos, nivelados e pós-tensionados. Nos últimos módulos (extremidades), serão montados as cabeceiras (protensão e desprotensão).

    Devido ao volume de concreto e a armadura usada os reforços internos e com o pós-tensionamento, a pista torna-se autoportante, e esta pista suporta uma carga de protensão máxima de 350 ton e tm momento máximo admissível de 41 Tf.m

    Para garantir a rigidez do conjunto de cabeceiras, durante a protensão e desprotensão, o piso industrial (bloco) onde serão fixadas as cabeceiras, é executado com um volume de concreto de, no mínimo, 14m3 com armadura frouxa.

    Nota: 
    -Para se ter uma carga superior a 350 toneladas, ou mesmo um momento superior a 41Tf.m é necessário se fazer um bloco de fundação como reforço. Este bloco de reforço será definido conforme a carga a ser utilizada e o posicionamento dos aços nas lajes, os quais geram o momento.

    -Os Bancos de Ancoragem é uma opção orientativa, pois se necessita estudar o projeto de pista de cada cliente, que é definido em função da concepção da fábrica e disponibilidade de investimento inicial. 

    Para estudos de viabilidade de implantação da produção, segue abaixo um link para um desenho que ilustra a pista de produção.

    Para quaisquer esclarecimentos sobre a aquisição destes equipamentos converse com a Penha Bovo da Weiler e tenho certeza que você será prontamente atendido, a qual agradeço pelas informações enviadas


    Eng Ruy Serafim de Teixeira Guerra


    Penha Bovo
    Gestão de Vendas/Clientes
    Weiler C.Holzberger  Industrial Ltda
    cid:image001.jpg@01CEB620.6FC5DD50
    Tel. PABX: (55) 19 3522.5900
    Rio Claro-SP-Brasil
    cid:image002.jpg@01CFB0BF.4B223990

    Link para o desenho:

    Leia Mais
     
    Clube do Concreto | by TNB ©2010