1 2 3 4

DPCON VS02 - Vídeo demonstrativo





Realizei um pequeno vídeo demonstrando uma dosagem do concreto pelo DPCON VS02,  claro que existem novidades em com se dosar um concreto modernamente por este método. Verificar finos, corrigir teores, Ken day com seu SS.....

Realizar dosagens por métodos estranhos não me parece uma boa prática mas o fazem, fazer NOCRETO tem sido comum nos dias atuais, estranho mas isso é real. Por isso fiz esse pequeno vídeo para demonstrar uma dosagem pelo DPCON VS02.

Tenho tido pouco tempo para fazer  novas postagens por  estra comprometido em fazer cálculos estruturais de uma grande obra de pré-fabricados que certamente mostrarei brevemente.

Mas vamos ao vídeo, e se quiser adquirir é só pedir as instruções pelo e-mail Clubedoconcreto@gmail.com




Leia Mais

Marquises, todo cuidado é muito pouco!


por Isadora Guimarães

Acidentes estruturais com marquises de edificações embora sejam raros, são sempre dramáticos e preocupantes, uma vez que o objetivo principal dessas estruturas é o abrigo e proteção de transeuntes. Para entender melhor o comportamento das marquises e as principais razões de acidentes como os ocorridos recentemente em Belo Horizonte e em Cubatão, o PET Civil conversou com Jorge Luiz Bittar, engenheiro civil atuante há 32 anos em projeto e execução de obras em concreto armado, tendo atuado em obras de empresas como Prado Valadares e Odebrecht.






Qual é o princípio básico de funcionamento das estruturas em concreto armado?

O que a gente considera normalmente, em estruturas convencionais, são estruturas reticuladas divididas em placas (lajes) e barras (vigas e pilares) para facilitar a modelagem e os cálculos, antigamente manuais e hoje em dia computacionais. O cálculo era feito de modo separado, as lajes descarregando em vigas, as vigas nos pilares e os pilares nas fundações. Atualmente, com os programas computacionais é possível resolver esse pórtico espacial todo de uma vez só, dependendo é claro do software utilizado.

Como funcionam, particularmente, as estruturas de marquises?

As estruturas de marquise normalmente são lajes em balanço ou vigas em balanço com uma laje apoiada nessas vigas. Para vãos pequenos são feitas apenas lajes em balanço, mas quando os vãos começam a ficar significativos, a espessura dessas lajes para atender aos critérios de deformação e estabilidade se torna muito grande, o que deixa de ser econômico e viável. Nesses casos, o engenheiro geralmente lança mão de vigas, que tem rigidez maior, e apoia sobre essa viga uma laje de espessura bem pequena.

Quais os principais cuidados que deve ter um engenheiro com relação ao projeto e execução de obras envolvendo concreto armado?

Na parte de projeto, os cuidados são os mesmos para dimensionamento de qualquer estrutura: obedecer aos critérios de norma, levantamento e combinações de cargas e estabelecer critérios para que essa marquise possa no futuro sofrer uma sobrecarga além do normal previsto em projeto, o que infelizmente, é muito comum. Os critérios de execução são as boas práticas de engenharia: respeitar cobrimentos,fazer um bom escoramento, adensamento e cura, com retirada do escoramento em prazo normal; fazer controle tecnológico do concreto como em todas as estruturas.

Nas marquises, a armadura fica na parte superior e, portanto, não é vista pelas pessoas da parte de baixo. Se em cima houver algum problema de corrosão, dificilmente será notado. Essa é a região que está recebendo toda a descarga de intempéries e, quando a laje em balanço está se deformando, são abertas fissuras na parte superior, favorecendo o ataque dos agentes atmosféricos e a corrosão, que é um processo progressivo, contínuo e acelerado, levando as estruturas ao colapso.

As principais causas de acidentes com marquises estariam, portanto, relacionadas a cuidados de manutenção. Quais fatores poderiam levar uma estrutura recém-construída, como a marquise em Belo Horizonte, ao colapso?

Lá não foi uma questão de manutenção. Eu vi em uma comunidade de calculista, imagens de engenheiros que fotografaram o local e um relato do autor do projeto, de 80 anos de idade e 50 anos de profissão, que afirma ter feito dimensionamento corretamente (mais de 300 barras de 16mm de comprimento adequado) e não foi executado isso. O que aparece nas fotografias é um comprimento de ancoragem muito pequeno. Existem duas responsabilidades muito distintas: a de projeto e a de execução. Não adianta fazer o cálculo certinho e um bom detalhe se na hora, executar diferente do projeto.

A mídia divulgou que o elemento estrutural em questão foi construído posteriormente ao edifício. Isso é incorreto? Representaria um agravante?

Não. Construir uma estrutura depois é muito usual e não tem problema nenhum, desde que se tomem os cuidados necessários tanto na parte de projeto como na parte de execução. O prédio foi feito sem a marquise, foi pedido um acréscimo ao autor do projeto, que fez o dimensionamento e este não foi executado conforme. É analisado então o dimensionamento, que é numérico e bastante lógico. Quanto à análise da execução, fica muito claro nas imagens que há uma falta de ancoragem, ou seja, o comprimento das barras que deveriam estar ancoradas na parte velha da estrutura foi muito pequeno e, talvez, a quantidade e diâmetro das barras também tenham sido sub utilizados, apesar de o autor afirmar que as barras tinham 16mm. Também é citado nesse relato que as barras que descolaram da estrutura de suporte e caíram junto com a marquise estavam limpas, quando na verdade foi especificado que a ancoragem fosse feita com um adesivo à base de epóxi, de altíssima resistência (cerca de 20 vezes mais resistente que o concreto). Se ele fosse corretamente aplicado, mesmo que a ancoragem fosse pequena, mesmo que o diâmetro da barra fosse menor, o adesivo estaria colado na barra.

Existem normas específicas para a construção de marquises?

Não. Essas são as mesmas normas de concreto armado, que apresentam itens para estruturas em balanço, assim como para estruturas normais. Dentre elas, NBR 6118: Projeto de estruturas de concreto – Procedimento.

Sobre o superdimensionamento das estruturas…

As normas técnicas estabelecem os parâmetros necessários, especificações básicas devem constar nos projetos. Porém a vivência que a gente tem de anos é a seguinte: estruturas como marquises só tem aquela barra pra segurar, em um aumento da carga ela não vai suportar, não há outro vínculo para ajudar no suporte. Se aumentarmos muito a carga em uma estrutura repleta de apoios, ela divide aquele aumento de carga pelos vários apoios. No caso de um deles ruir, os outros vão ajudando e há tempo para tomar providências. Tanto que vemos poucos episódios de colapsos, em relação à quantidade de obras mal feitas e sem assessoramento de engenharia nenhum. Se a pessoa tem uma loja, raramente procura consultar o engenheiro anteriormente à execução da obra, para saber se é possível. Ao adquirem um imóvel, as pessoas parecem adquirir o poder de fazer o que bem entendem e não é por ai.

O que é possível analisar a partir das imagens…

Algumas coisas na imagem são estranhas. Primeiro, a marquise parece que caiu como um corpo rígido, por inteiro. Segundo, na estrutura remanescente, não saíram blocos de concreto. Então, dá pra ver mais ou menos os pontinhos que seriam os furos de inserção das barras. Não vi isso na imagem, mas o relato do engenheiro é de que as barras estão limpas, como falei, sem o adesivo especificado. Ou usaram o adesivo fora da vida útil ou usaram pouco ou não usaram nenhum. Outra coisa que me chama a atenção é que essa marquise foi impermeabilizada, aparecem mantas colocadas sobre ela, mas a espessura final é enorme! Não vi justificativa nenhuma para haver tal espessura, não de concreto, mas sim de sobrecargas mortas. Isso tudo contribui, agravando. As estruturas não entram em colapso por um único motivo, é um somatório.

Imagens: Engenheiro Orlando Figueiredo, Estado de Minas, TV Globo

Leia Mais

O que é modulação de projetos?

   Modulação é quando as medidas do projeto arquitetônico são adaptadas para as dimensões dos materiais que vão ser utilizados na edificação (blocos, azulejos, aberturas, pisos, etc.).


     Por exemplo, se uma parede vai ser revestida com um azulejo de 30x60 cm com junta de 2mm e a parede tem dimensões proporcionais ao azulejo utilizado, não será necessário cortar pedaços de azulejo para revestir a parede.

Parede modulada para a dimensão do azulejo

     Se este estudo não for feito na fase de projeto, será necessário cortar pedaços de azulejo para complementar as medidas da parede e revestí-la.


Parede não modulada para a dimensão do azulejo

Por que a modulação é importante?

     A modulação á importante porque estes pedaços de azulejo cortados dificilmente serão reaproveitados em outra parede e provavelmente irão para o lixoE isto acontece não só com o azulejo, mas também com tijolos, blocos, pisos de madeira e todos os outros materiais usados na construção de uma edificação.

fonte: google

     Por este motivo, na maioria das cidades brasileiras, a construção civil é um dos setores da economia que gera maior volume de lixo. No entanto, impacto da modulação de projetos não é só ambiental. Para enviar  o lixo da construção civil para aterros (que são especiais para este tipo de material) é necessário pagar o transporte e a disposição deste material, o que pode ter um custo significativo para a construção. Normalmente este custo não é considerado no orçamento da edificação.

Modulação com blocos de concreto

     Quando usamos blocos de concreto estruturais, devemos modular o projeto para evitar a necessidade de cortar blocos para fechar as medidas do projeto.
    Por isso os blocos de concreto são agrupados por famílias. Cada família corresponde a uma dimensão modular, ou seja, ao tamanho do módulo em que a edificação vai ser projetada. Todas as dimensões do projetos devem ser múltiplas da dimensão modular da família de blocos escolhida.
     A figura abaixo mostra a dimensão modular de 3 famílias de blocos, a família 39 (dimensão modular = 20 cm), familia 29 (dimensão modular = 15 cm) e a família 36,5 (dimensão modular = 36,5 cm). Cada família tem algumas peculiaridades, e falaremos sobre isto em um post específico.




     Segue abaixo um exemplo de como fica um projeto modulado para o uso de blocos de concreto:


leia aqui sobre modular paredes de concreto:


Leia Mais

Como construir a cinta de amarração?











Vãos de portas e janelas !





Use uma verga na primeira fiada de blocos acima do vão.

Essa verga pode ser pré-moldada ou feita no local.

Ela deve ter, no mínimo, 20 cm a mais para cada lado do vão.

Não se esqueça também de escorar as fôrmas das vergas concretadas no próprio local.















Dica: Use blocos-canaleta como fôrma para a verga.
Eles também podem ser usados como cinta de amarração


Cinta de amarração





A boa prática recomenda fazer uma cinta de amarração na última fiada das paredes (respaldo).

Mas lembre-se de deixar passagens para canos e conduítes (eletrodutos) na cinta de amarração.









Lembre-se de chumbar tarugos de madeira nas bordas dos vãos.

Os batentes de portas e janelas, que serão instalados depois, vão ser pregados nesses tarugos.

Use uma argamassa bem forte de cimento e areia (1 parte de cimento e 3 partes de areia) para chumbar os tarugos.


fonte:Associacão Brasileira de Cimento Portland
Leia Mais

Laje de Isopor: Preço? Aguenta Peso?



Você já ouviu falar sobre a laje de isopor? Apesar de bastante vantajosa, a opção ainda causa certa insegurança nos consumidores. Afinal, uma estrutura feita deste material suporta bem a estrutura de um telhado? A resposta é sim, e logo mais te explicaremos o porquê. Acompanhe o texto!

Para a instalação de uma laje de isopor, uma estrutura é desenvolvida com o uso de vigotas e uma laje entrelaçada de aço. A junção dessas partes cria uma base para o encaixe das peças de isopor, que então formam a superfície da laje. Em seguida, são posicionadas escoras, que darão maior sustentação para o passo seguinte da construção.

Na próxima etapa da obra, a parte de cima da laje recebe uma generosa camada de concreto. Depois, a superfície pode passar pelo acabamento desejado pelo consumidor. Inclusive sendo impermeabilizada, para que não haja acúmulo da água da chuva.

Dessa forma, não é propriamente o isopor que sustenta os impactos sobre a laje. O que a sustenta são as treliças de aço e os componentes em concreto (vigotas e argamassa). Logo, a laje de isopor é bastante segura e resistente, tendo enorme durabilidade.
Qual o preço da opção?

A diferença de preço entre uma laje de EPS e uma estrutura comum, feita com tijolos de cerâmica, geralmente é pequena. Enquanto o metro quadrado da construção em isopor custa cerca de R$ 25, a de cerâmica tem valores estimados em R$ 28. Considerando todas as vantagens do EPS, porém, pode ser muito mais interessante investir nesse tipo de laje. Confira a seguir os benefícios dessa opção.
Vantagens da laje de isopor

O consumidor que escolhe a laje de isopor para o seu imóvel usufrui de uma série de vantagens. A começar pelo isolamento térmico oferecido pela opção. Como não absorve muito calor, o EPS evita que o interior da edificação esquente em demasiado, o que poderia causar desconforto dos seus ocupantes.

Ao mesmo tempo, o material evita a perda exagerada de temperatura, evitando que o ambiente se torne muito frio. Isso significa que nesse tipo de imóvel é sempre possível contar com um clima ameno e agradável.

Também é interessante destacar o isolamento acústico oferecido pelas peças. O isopor não deixa o som “escapar” de forma exagerada do imóvel, assim como não permite que ruídos de fora adentrem o espaço.

Outro benefício oferecido pela laje de isopor é a facilidade de instalação de conduítes no teto. Sejam eles elétricos, sejam hidráulicos. Isso ocorre porque o corte do isopor é muito mais simples do que o da cerâmica, normalmente utilizada nos imóveis. Dessa forma, as peças condutoras podem ser instalados em qualquer ponto necessário.
Benefícios para a construção

Falando especificamente do processo de obra de um imóvel, as vantagens de uso deste tipo de laje são ainda mais diversas. O isopor, por exemplo, é leve e fácil de manusear. Logo, seu transporte é simples, o que otimiza o tempo de trabalho dos indivíduos.

Simultaneamente, é possível destacar a baixa perda do produto. Ele dificilmente quebra ou trinca, e seu corte facilitado diminui muito o risco de erros. Por isso, não é necessário adquirir quantidade muito superior para a execução do projeto do imóvel. Apenas algumas peças extras, como garantia.
Há ainda imensa facilidade de montagem da estrutura da laje. A rapidez de encaixe das peças de EPS, e depois da secagem do concreto, permitem que a obra seja concluída rapidamente.

Ademais, a fundação necessária para a edificação pode ser menor e, consequentemente, mais econômica. Afinal de contas, o peso da laje de isopor é pequeno, e a estrutura que suportará o imóvel não sofrerá tanta pressão.

Leia Mais

Como enviar grátis arquivos grandes sem login ou senha

WeTransfer é um serviço online de transferência de arquivos que permite o envio de até 2 GB de forma simples e intuitiva. Para utilizá-lo não é preciso criar conta no site ou inserir dados pessoais, basta ter um endereço de e-mail válido, o item a ser enviado, e o e-mail do destinatário; confira a dica.

Passo 1. Abra o WeTransfer em seu navegador e click em “Adicionar ficheiros”.


No primeiro espaço, carregue o arquivo que será compartilhado (Foto: Reprodução/Rafaela Antunes)


Passo 2. Selecione o arquivo que será transferido e clique em “Abrir”;

Escolha o arquivo o arquivo no computador (Foto: Reprodução/Rafaela Antunes)

Passo 3. Insira um ou mais e-mails que receberão o arquivo;

We Transfer permite o envio para até 20 contatos

Passo 4. Digite seu e-mail para identificação;

Não é preciso criar uma conta só informar seu endereço de e- mail usual (Foto: Reprodução/Rafaela Antunes)

Passo 5. Na última caixa, o usuário pode adicionar uma mensagem que será enviada junto com o arquivo. Para finalizar clique em “Transferir”;

We Transfer permite a inserção de notas ao compartilhamento (Foto: Reprodução/Rafaela Antunes)

Passo 6. Começa o carregamento do arquivo, que pode demorar mais ou menos, dependendo do seu tamanho';

Carregamento do arquivo é feito logo após o preenchimento dos dados (Foto: Reprodução/Rafaela Antunes)

Passo 7. Pronto! Em poucos minutos você e o destinatário do arquivo receberão a confirmação da transferência;

De forma simples We Transfer compartilha até 2 GB (Foto: Reprodução/Rafaela Antunes)

Passo 8. Na mensagem recebida deve haver a identificação de quem enviou o arquivo, assim como a descrição do item enviado. 


O arquivo fica disponível para download por sete dias. Após isso o usuário pode repetir o processo quantas vezes necessárias;

Todos e-mails recebem confirmação do compartilhamento (Foto: Reprodução/Rafaela Antunes)

Pronto! Agora, você conhece uma outra opção para enviar arquivos para seus amigos, sem sofrer com o baixo limite de envio de seu e-mail padrão.

Leia Mais

Calcrete

Uma super aula de concreto/prefabricados/construção tudo em módulos, com programas bem explicados para Engenheiros/Estudantes/Arquitetos veja os seus módulos:

Módulos Calcrete
  • Introdução ao Concreto
  • Concreto como material
  • Concrete Practice site
  • Questões ambientais
  • Saúde e Segurança
  • Buildability e técnicas de construção
  • Projeto Concreto Armado 1 (EC2 e BS)
  • Projeto Concreto Armado 2 (EC2 e BS)
  • Desenho e Detalhamento
  • Fundações e muros
  • Concreto protendido
  • Estruturas de Concreto Pré-moldado
  • Cimento e Concreto em Pavement Construção
  • Pontes de concreto
Calcrete pode ser utilizada de forma eficaz como ferramenta de aprendizagem e empregados:
  • na sala de aula para ilustrar conceitos-chave através da biblioteca rica de exemplos e imagens
  • como uma ferramenta de revisão e uma fonte de leitura adicional
  • como ferramenta de avaliação formativa graças aos muitos exemplos e exercícios

Calcrete é um conjunto abrangente de 16 módulos assistidos por computador de e-learning sobre materiais concretos, concepção e construção, contendo o material essencial e informações para todos os profissionais da construção - de arquitetos para os engenheiros do site.







Visão geral do módulo

Leia Mais

Planilha Excel de Consumo de Eletrodos

Calcule o consumo dos consumíveis para diferentes aplicações de soldagem.
Uma planilha que vai ajudar no dia-dia do soldador, com download gratuito





ESAB Logo



Leia Mais

Planilha para calhas e tubos de descida de água

Mais uma planilha do Site do Clube do Concreto que entra na loja, dimensionar calhas e tubos de descida de água.


Visite a loja do site: Loja do Clube do Concreto
Leia Mais
 
Clube do Concreto | by TNB ©2010