1 2 3 4

É fácil fazer um bloco de concreto? Jorge Yances


Fabricação de blocos de concreto 
Um trabalho fácil? 
Pense duas vezes!
Um desafio especial

Na produção de pré-fabricados de concreto e mais exatamente em blocos estruturais, não basta possuir a melhor infraestrutura ou matéria prima. Se não se conta com o devido conhecimento e experiência, os resultados podem ser fatais para una empresa que está apenas começando.

Produzir blocos de concreto não é fácil, o fabricante deve contemplar pelo menos 12 variáveis que podem afetar a qualidade do produto, entre as que estão: os agregados, o cimento, o desenho da mistura, o processo produtivo, os pallets, a cura, os aditivos, a relação água/cimento etc.

Informação técnica a respeito não é fácil de encontrar, textos especializados a mencionam superficialmente, mesmo na internet não é possível encontrar dados de qualidade que sirvam para tomar decisões. Este artigo está dirigido aos empreendedores e pequenos produtores que estão começando no negócio.

Jorge Yances, Prefabricadosenconcreto, Colômbia

Sergio Prahl, Bautech International, Colômbia

Os pré-fabricados de concreto vão ganhando adeptos dia a dia no nosso país. É uma forma de aumentar a produtividade e reduzir os tempos de execução de uma obra. Na produção de blocos de concreto existe una serie de variáveis que de não ser cuidadosamente consideradas podem fazer fracassar qualquer negócio.

O tema tem sua ciência. De nada servirá ter as melhores maquinas ou a melhor disposição, se não possuímos o conhecimento e a experiência na produção deste tipo de elementos. Se bem é verdade que a mecânica da produção é fácil de realizar, não devemos passar por alto os procedimentos de controle que devem ser realizados antes, durante e depois desta.

A literatura disponível sobre o tema é muito escassa e a forma mais comum de produzir continua sendo o antigo e ainda vigente, mas nada recomendável o método da “tentativa e erro” é dizer, experimentar com varias dosagens quantas vezes for necessário até obter os resultados procurados. É de se esperar que muitas empresas possam fracassar antes de fazer sua primeira venda.

O processo de produção, o desenho da mistura, os agregados e os aditivos, entre outros, são segredos muito bem guardados pelos conhecedores; apesar de que o que funciona para uns não funcionará para outros, já que não é o mesmo produzir em Bogotá que produzir em Caracas, Lima ou Buenos Aires.
Em cada uma destas cidades as condições climáticas são diferentes, assim como os agregados, o cimento e a água. Portanto, antes de comprar a maqui-produção de Pavers de uma ou de dupla capa de 200x100x60 mm, cor amarela. A capa superior possui uma espessura de 8 mm. Para uma produção de Bloco split branco de 12x9x39 mm. Que é especial para fachadas de alta categoria estes são fabricados com mármore branco e cimento branco www.cpi-worldwide.com FCI – Fábrica de Concreto Internacional – 5 | 2010 PRODUTOS DE CONCRETO.

É importante investir na elaboração de um Estudo de Eficácia que nos deixe claro temas como a melhor localização da planta, os aspectos técnicos da produção, onde estão localizados os melhores agregados e quais são os custos de produzir um bloco, entre outros.

Quando um cliente solicita um bloco estrutural, muitas vezes o que lhe interessa é só a resistência e a aparência que este possui; mas por trás destas características se escondem muitas outras que pouco ou nada lhe importam; no entanto, o fabricante deve possuir controle sobre elas, conhecê-las, analisá-las, quantificá-las e sempre, fazer seu seguimento. Refiro-me à: densidade, dimensões, absorção, eflorescência, contração linear por secagem, uniformidade da cor, homogeneidade da mistura, segregação e outros.

Infelizmente, nem sempre possuímos os equipamentos necessários para realizar estes ensaios nas nossas fábricas pelo que se faz necessário recorrer com frequência a laboratórios especializados para que elaborem as análises baseadas nos procedimentos descritos nas respectivas normas técnicas. Para o caso dos blocos de concreto, são testados sob a norma colombiana NTC 4024 e NTC 4026 ou sua equivalente internacional ASTM C140/99 e ASTM C90/96 respectivamente. Toda empresa que mostrar interesse na qualidade de seus produtos e na satisfação de seus clientes não só deve adquirir as respectivas normas técnicas, senão entendê-las, sabê-las interpretar e aplicá-las a todos os processos da produção.

Algumas fábricas artesanais costumam realizar provas empíricas, obviamente NÃO aprovadas por nenhuma norma, que consistem em lançar um bloco desde certa altura para demonstrar sua capacidade de resistência. Esta prática não é suficiente para determinar o comportamento do elemento em longo prazo e não possui nenhum fundamento técnico nem se fundamenta em base normativa alguma, pelo que NÃO deve ser aceito como prova única.

Isto pode ser um pouco frustrante, já que segundo a norma é necessário esperar pelo menos 28 dias para obter resultados confiáveis; não há outra forma, os ensaios devem ser realizados a 7, 14, 21 e 28 dias. Dado que o concreto é um elemento vivo, e assim deve ser considerado, pois sua resistência aumenta com cada dia de vida; o recomendável para o fabricante responsável é fazer seguimento mesmo depois de cumprir as quatro semanas, ou seja, 60, 120, 180, 270 e 360 dias.

A seguir são relacionadas as variáveis mais importantes que podem chegar a afetar a qualidade final de um bloco de concreto, tomando como referência o processo de produção de uma fábrica.

Sergio Prahl, Engenheiro Mecânico Industrial. Tem 25 anos de experiência em Desenho, Montagem, posta em marcha e produção em plantas de pré-fabricados de concreto, fibrocimento e morteiros em diferentes países da América Latina, EUA e Europa. Trabalhou 14 anos para o grupo suíço Amanco até chegar à posição de Diretor Corporativo para a América Latina e atualmente é diretor da Bautech International. Seu enfoque principal está no desenvolvimento de produtos de alto valor agregado, principalmente de pré-fabricados de concreto, desde sua produção até sua comercialização.

sergioprahl@bautech-int.com, www.bautech-int.com FCI – Fábrica de Concreto Internacional – 5 | 2010 www.76 cpi-worldwide.com

PRODUTOS DE CONCRETO

Esta é uma fábrica modelo, similar à que possuem 95% dos produtores na Colômbia; a pequena escala, com maquinas vibro-compressoras manuais, cura a ambiente e uma produção de 1600 unidades a cada oito horas. São essas:

Os Agregados

São importantes conhecer sua precedência e propriedades, tanto químicas como físicas, já que podem reagir negativamente com o cimento e diminuir sua vida útil. Quanto mais dureza possuir, melhor vai ser seu comportamento ante a compressão. Os melhores resultados foram obtidos com materiais pétreos, preferivelmente triturados e lavados (de minas) ou de rio (seixo). Os materiais contaminados com argila, alongados ou achatados devem ser excluídos. Se desejar obter uma excelente qualidade em seus produtos com o menor consumo de cimento deve ter cuidado com a granulometria e a limpeza dos agregados. Acabamentos atrativos e decorativos podem ser possíveis com o uso de mármores de diferentes cores, vidro, resinas e silicatos de alumínio, etc. É importante analisar sua densidade, granulometria, resistência, tenacidade, absorção e sanidade. NTC 174, ASTM C33.

A Qualidade da Água

Se for apta para consumo humano então pode ser considerada aceitável para o concreto. Em situações nas que não se dispuser de tal qualidade é necessário realizar ensaios químicos de acidez, alcalinidade, dureza, cloro, PH, sedimentos, sólidos dissolvidos, turvação e partículas em suspensão. NTC 3459, ASTM BS 3148.

O Cimento

De todos os tipos de cimento que existem, cada um possui qualidades específicas para cada aplicação. A seleção deste deve ser considerada segundo o uso que o elemento vai receber o ambiente ao que vai estar submetido, assim como o tipo de cura que será realizado. Cada marca do Portland Tipo I nos oferece diferenças em sua cor e finura. O Tipo III nos proporciona altas resistências a idades prematuras, o Tipo V é resistente aos sulfatos, sendo especial para ambientes marinhos. É importante fazer um controle do cimento e ter uma comunicação permanente com os fabricantes para conhecer as mudanças em adições, resistências e tempos de presa. NTC 121, NTC 321, ASTM C150/80.

O Desenho da Mistura

Esta é talvez a variável que mais afeta a qualidade do produto final, dela depende a densidade, a absorção e a resistência do elemento. É uma das mais importantes e merece especial cuidado em sua elaboração. Deve ser formulada por pessoal profissional altamente qualificado. De seu êxito depende a qualidade do produto e seu preço no mercado, pelo que tem a particularidade de fazer a empresa mais competitiva e viável financeiramente. Um bom desenho tenta obter a mais alta resistência com a menor quantidade de matéria prima, otimizando a quantidade de cimento e reduzindo custos desnecessários. Uma boa dosagem relaciona em peso a quantidade de agregados finos, grossos, cimento, água, aditivos e pigmentos. Com frequência assessoramos pequenas e médias empresas onde encontramos um erro muito comum, o qual é supor que um só desenho é suficiente para todos os seus produtos; cada elemento merece sua própria análise para evitar super dimensionar a mistura. Você sabe quanto dinheiro isto pode representar por ano? Considere contratar uma boa assessoria nesta área.

A Maquinaria

Cada equipamento vibro-compressor possui sua própria particularidade e deixa sua marca em cada elemento que produz, outorgando- lhe características muito particulares no que se refere à densidade. Um equipamento mal calibrado, desbalanceado ou desnivelado pode causar fissuras difíceis de detectar, as quais provocarão diminuições na resistência; por outro lado, um bom equipamento e em perfeito estado mecânico pode permitir conseguir um estado ótimo da mistura e em consequência uma redução na quantidade de cimento. Os tempos de vibração e compactação são diferentes para cada produto

O Processo de Mistura

A ordem em que os agregados, o cimento, a água, os aditivos e o pigmento são inseridos na misturadora é importante e tem uma sequência específica. Cada um merece especial atenção e seu próprio tempo de mistura.

As Bandejas ou Pallets

Devem ser planas e de material resistente à água, não devem possuir defeitos de convexidade ou concavidade e ser preferivelmente elaboradas em uma só peça, em materiais como madeira, metal ou polímeros.

A cura

É o processo durante o qual o concreto ganha resistência. A temperatura ambiente, dependendo do tipo de cimento e do procedimento de cura pode durar até sete dias, no qual o bloco pode obter até 70% de sua resistência total. A temperatura e umidade ambiental merecem cuidado especial. De nada vale vigiar as variáveis anteriores se não atendemos corretamente este processo. Começa aproximadamente às 12 horas posteriores à incorporação da água à mistura e seu efeito produz a evaporação da água do interior do bloco pelo que devemos garantir que aconteça de forma lenta e progressiva, mantendo a temperatura ambiente entre 30 e 35 °C e a umidade relativa superior a 90%. Os produtos devem ser protegidos do vento e do sol preferivelmente em câmaras isoladas. NTC 4026, ASTM C90/96.

A Manipulação

Quanto menos os blocos forem manipulados durante sua cura e armazenamento, mais estaremos protegendo sua qualidade. Uma Tomada de medidas no primeiro ponto de controle de qualidade, na saída da vibro-compressora www.cpi-worldwide.com FCI – Fábrica de Concreto Internacional – 5 | 2010 PRODUTOS DE CONCRETO má manipulação pode gerar microfissuras, rachaduras ou fendas que vão produzir resultados não desejados no acabamento ou em um ensaio de compressão.

Os Aditivos

A incorporação de aditivos à mistura de concreto deve ser considerada como um valor agregado que pode nos ajudar a aperfeiçoar a mesma, reduzindo a quantidade de cimento e controlando a eflorescência, entre outros fatores importantes para o bom desempenho dos produtos. Os benefícios são substanciais se soubermos escolher, normalmente os superplastificantes aumentam a manuseabilidade, permitindo uma melhor densidade e melhorando o acabamento, o que ao final se traduz em uma melhor aparência estética e com resultados ótimos de ensaios de laboratório NTC 4023, ASTM C157.

Os Pigmentos

A cor do concreto chegou para ficar, os pigmentos inorgânicos elaborados a partir de óxidos de ferro como o amarelo, vermelho, preto e café são os mais estáveis; foram encontradas aplicações de mais de 20 anos com resultados aceitáveis. Por outro lado as cores verde e azul correspondem ao uso de óxidos de cromo e cobalto respectivamente. Sua aplicação depende do uso e ambiente em que o elemento vai estar. A cor é deteriorada pela luz ultravioleta contida nos raios solares, adicionalmente também pode ser degradada pela chuva ácida e os elementos químicos contidos no solo.

Na produção de pré-fabricados devem ser utilizadas com extremo cuidado para não alterar o tom final do produto, já que este pode ser afetado pela quantidade e a cor do cimento, a quantidade de água, a quantidade de pigmento e a cor dos agregados. NTC 3760, ASTM C192.

Relação Água/Cimento

Relação a/c A relação água/cimento é um dos indicadores mais importantes em todo desenho de mistura. Os pré-fabricados são produzidos com misturas secas pelo que a a/c é muito baixa, de 0,3 a 0,7. A quantidade de água que é incorporada à mistura deve ser cuidadosamente determinada e deve considerar a umidade que os agregados possuem pelo que se faz necessário se fazer ajustes por umidade ao desenho da mistura proposto.

O Controle de Qualidade

A melhor forma de obter um produto de má qualidade é não exercer nenhum tipo de controle durante seu processo de elaboração. O controle de qualidade deve ser entendido como um processo inerente à produção que é desenvolvida antes, durante e depois desta. Uma adequada capacitação de todos os envolvidos nesta operação pode assegurar grande parte do êxito e economizar muito dinheiro em perdas que podem ser evitadas.

Nesta ordem de ideias, se levamos em consideração que os custos diretos de fabricação (CDF) atingem aproximadamente 64% do valor de cada bloco e que somente 23% pertencem aos custos indiretos de fabricação (CIF), é importante concentrar nossa atenção nos primeiros. Se analisarmos detalhadamente, encontraremos que desses 64%, aproximadamente 56% pertencem ao custo da matéria prima, desta forma, o primeiro a controlar é o cimento, logo o agregado fino, seguiria o agregado grosso e por último a água. Portanto, uma das chaves para conseguir um preço competitivo sem afetar a resistência é elaborar o desenho de mistura correto.

Todas e cada uma destas variáveis afetam em maior ou menor grau a qualidade de um bloco; o êxito está em contemplá-las todas em seu devido momento; os detalhes que parecem insignificantes terminarão fazendo a diferença. Ao quantificar as anteriores variáveis, percebemos que este não é um trabalho simples, pelo contrario, para produzir um bom bloco de concreto é necessário o conhecimento, a experiência e um rigoroso controle de qualidade.

Quanto mais automatizada possamos ter nossa planta, menos variáveis teremos que controlar e menos serão os riscos de cometer erros.

Por conseguinte, é fácil fazer um bloco de concreto?

Obviamente minha resposta seria NÃO!


primeira parte:


segunda parte:
https://docs.google.com/file/d/0B5tZl32hKTlUYmUzNDk4ZWYtNjQ0YS00YTUwLWEyM2ItNGZjYzliNThlNzk2/edit?hl=es&pli=1

                                                                          terceira parte:
https://docs.google.com/file/d/0B5tZl32hKTlUY2Y2OTYzM2UtYTA2MS00NjhjLWI3ZjgtYTI3MTMyMTFmY2Y3/edit?hl=es&pli=1

4912
Ler Mais

Afinal Slump Test Para Que?

Chegamos a mais de 153.300visualizações nesta publicação e agora republico esta com algumas alterações com os novos caminhos já publicados. Uma é o aparelho da GE e outra é o medidor de umidade do concreto de James Cementometer.

Vamos lá:

Primeiro devemos entender qual é a FINALIDADE do teste de Slump. Este teste tem a finalidade de se determinar a consistência do concreto na qual é uma medida do fluxo, ou seja, da mobilidade do concreto em uma massa, o slump é a medida do seu abatimento realizado neste ensaio.

O ensaio é realizado com um equipamento e este é realmente muito simples. Consiste de uma haste de socamento e de um tronco de cone de 300 mm de altura, 100 mm de diâmetro no topo e 200 mm de diâmetro na base. O tronco de cone é preenchido com concreto, em três camadas com 25 golpes penetrando parcialmente a camada anterior, e depois vagarosamente suspensa. O concreto sem suporte abate-se pelo seu próprio peso. Esta medida em centímetros que o concreto se abateu é o valor do Slump.

Veja a publicação de passo a passo com a explicação de como fazer este ensaio:
 http://www.clubedoconcreto.com.br/2013/08/ensaio-do-slump-test-ensaio-de.html



É verdade que neste ensaio o aumento ou a diminuição do teor de água causará aumento ou uma diminuição correspondente ao slump do concreto.

Mas muitos fatores podem causar a mudança do valor do slump do concreto, entre estes os mais importantes :

· Mudanças das propriedades dos agregados ou granulação (módulo de finura),
· As proporções de mistura,
· Teor de ar,
· Temperatura do concreto,
· Temperatura do ambiente,
· O uso de aditivos especiais pode afetar o valor do abatimento de concreto,
· Uma mistura com um excesso de areia pode exigir mais água na mistura do que as proporções especificadas na concepção da mistura original, mas o abatimento pode até permanecer o mesmo,
· Pode haver falta de coesão e o resultado sai com valor falseado.
· As perdas de água no transporte,
· A falta de umidade interna dos agregados (adsorção),
· Por uma falsa pega,
· Aditivo fora do prazo de validade.
-Velocidade do ensaio


Devemos lembrar que este resultado do Slump não pode assumir que a relação água / cimento do projeto seja mantida simplesmente porque o valor do abatimento ficou dentro dos limites da especificação.

E quais são estes limites, estas tolerâncias para o Slump?

As tolerâncias para o Slump são as da norma NBR7212(1994) - Execução de concreto dosado em central, conforme a sua tabela 5:

Devemos entender esta tolerância da norma, com exemplos que já foram mencionados em uma publicação anterior:

Exemplo 1:

Para um concreto que se dosou para Slump de 60 mm a sua faixa para recebimento será entre 50 mm até 70mm, ou seja se admite uma variação de 40% para seu recebimento.

Exemplo 2:

Para um concreto de se dosou para Slump de 100 mm a sua faixa para recebimento será entre 80 mm até 120mm, ou seja se admite uma variação de 50% para seu recebimento.

Matematicamente são percentuais muito altos, creio que não estamos assimilando (será cegueira?)

Se com este ensaio para recebimento do concreto não assume que a relação água / cimento do projeto seja mantida simplesmente porque o valor do abatimento ficou dentro dos limites da especificação então o porque utilizar este ensaio?

O Slump não é uma boa medida da trabalhabilidade, embora seja satisfatório para medida da consistência ou das características de fluidez de um concreto. 

É dito nos meios técnicos que a principal função deste ensaio é fornecer um método simples e conveniente para controlar a uniformidade da produção de concreto de diferentes betonadas. Para uma variação fora do normal no resultado do abatimento pode significar numa mudança imprevista nas proporções da mistura (traço), granulometria do agregado ou teor de água. Que variação é esta que se permite se as tolerâncias de medição do Slump atingem 50% ????

Creio que em diversas obras estão corrigindo com mais água o Slump que foi baixo (com aditivo é melhor!), o Slump está dando margem para erros no recebimento do concreto. Slump menor quer dizer trabalhabilidade baixa e isto não quer dizer que a adição de água seja a solução.

Também tenho visto obras que param porque estão esperando para alguém dar a ordem para descarregar o concreto fora da FAIXA do Slump.

Se queremos medir se o concreto é utilizável (trabalhável) , utilize a mesma vibração na hora de moldar os CP"S e confira.

Observe o quadro abaixo o que ocorre com a resistência do concreto endurecido quando se altera o Slump com água:



Logo é bom sempre se esclarecer que o Slump não tem nenhuma correlação com a resistência do concreto endurecido. Logo se corrigindo a quantidade de água do concreto pelo método de ensaio de Slump estaremos sempre alterando a resistência do concreto endurecido e vamos ter mais desvios no controle estatístico.

Fica como perguntas: 

-Será que não temos como fazer um ensaio do recebimento do concreto mais apurado? 
-Será  que o fator água/cimento não pode ser controlado mais racionalmente antes do endurecimento?


Temos até agora as opções que não são muito divulgadas e particularmente não testei estes aparelhos.

A GE tem o speedy de concreto:

O medidor de umidade de James se constatado que trabalha dentro de limites toleráveis será o grande avanço em medição de umidade do concreto, que irá garantir a resistência do concreto.

Não deixe de ver a publicação sobre os 61 ensaios realizados pela ICAR INTERNACIONAL para se chegar a uma simples conclusão de que o ensaio de Slump é muito simplista para o valor que se produz de concreto e que este sofre grandes variações e que ainda temos muito a fazer... Veja aqui

É bom entender que não devemos assumir que: Faço desse jeito porque sempre foi assim  Veja aqui

E não deixe de ver  também Se o  Slump Garante a Resistência do Concreto: Veja aqui

CONCLUSÃO:

Então todo cuidado é MUITO POUCO, na utilização deste ensaio de recebimento do concreto que deveria utilizado somente em laboratório para se conferir a coesão, teor de argamassa, etc ...

Eng Ruy Serafim de Teixeira Guerra
Ler Mais

Curso Edifícios Multipavimentos em Concreto Pré-Moldado

Recomendo esse curso de Edifícios Multipavimentos em Concreto Pré-Moldado, eu mesmo fiz este seu curso onde o professor Marcio Cunha ensina com excelente didática e sem rodeios todos os pormenores que ele e sua equipe adotam nos grandes projetos que vem executando. Veja no seu Instagram uma pequena coletânea de suas obras!!

https://www.instagram.com/m2lt_projetos/


O curso se trata da segunda turma e tem seu início na primeira semana de Fevereiro.


O dia e hora das aulas serão definidos pelos interessados.


O curso é voltado para engenheiros civis e estudantes de engenharia civil, interessados em conhecer os passos necessários para a elaboração de um projeto de um edifício em concreto pré-moldado.


A que carregamento as lajes estão sujeitas? Que laje suporta este carregamento? Qual a espessura da capa de concreto? Pra que ela serve? Como escolher a melhor distância entre pilares e determinar suas dimensões? Que viga utilizar e como definir sua geometria?


Trataremos de concepção estrutural, dimensionamento e detalhamento.


A ementa do curso é:

Aula 1 –  Introdução – Definição das lajes (1:30h de aula)

Aula 2 –  Pré-dimensionamento da viga principal (1:30h de aula)

Aula 3 –  Pré-dimensionamento das demais vigas e pilares (1:30h de aula)

Aula 4 –  Modelagem (3:00 à 3:30 h de aula)

Aula 5 –  Dimensionamento pelo Software ou Unhex? (1:30h de aula)

Aula 6 –  Detalhamento de dicas de projeto (1:30h de aula)


O acesso ao conteúdo do curso é vitalício (pelo menos enquanto a Hotmart existir).


É importante salientar que este NÃO É UM CURSO DE TQS! É um curso com o AUXÍLIO do TQS, que é o software que eu utilizo para esse tipo de edificação.


Os conceitos apresentados no curso são aplicáveis qualquer que seja seu software de dimensionamento e detalhamento de concreto.


Os dimensionamentos dos elementos estruturais serão realizados com o auxílio de planilhas Excel e/ou calculadoras do próprio TQS, ferramentas que grande parte dos engenheiros utilizam em sua rotina diária.


O valor da inscrição é de R$ 800,00, que pode ser parcelado em até 10x no cartão de crédito (venda pela plataforma Hotmart).


Aos que se interessarem acessem o link para o grupo de interessados à nova turma:


https://chat.whatsapp.com/KCrUcN8pWrJLEYk76bWkTR






Ler Mais

Pedreiro por dia ou empreitada?


Qualquer um dos dois tipos de serviço pode atender muito bem às suas necessidades. Contratando uma construtora, que geralmente é um contrato fechado, geralmente toda essa dor de cabeça de cálculo de variáveis e possíveis alterações no valor do contrato não serão necessárias. Quando o projeto está sob sua responsabilidade e de um arquiteto/engenheiro, a decisão pode ser mais delicada.

Ao contratar um pedreiro, você tem duas duas opções de pagamento para o serviço: por empreitada ou por dia de serviço. Cada tipo de contrato tem vantagens e desvantagens para o consumidor e para o pedreiro. Enquanto você, como consumidor está, obviamente, interessado nos prós e contras para si mesmo, a compreensão de como o contrato funciona e a natureza do serviço vai te dar uma vantagem na economia.

Pedreiro por empreitada ou por dia: o contrato por empreitada

Uma empreitada ou contrato de preço fixo são modalidades de contratos com pedreiro. Para projetos pequenos e simples, esse tipo de contrato vai funcionar muito bem. Agora projetos mais complexos e maiores, o custo final pode acabar mais elevado, podendo sofrer alterações no contrato, com os custos saindo um pouco do planejado. Principalmente se você está pretendendo fazer alterações no projeto no meio do caminho, a empreitada pode sair bem mais cara do que inicialmente planejada.


Problemas no meio do caminho também podem resultar em aumento nos custos da empreitada. Por exemplo, uma casa ou apartamento mais antigo que está passando por uma reforma pode encontrar mais problemas do que um imóvel novo ou construção do zero, o que resulta em um aumento nos custos da empreitada. Pode ser um cano furado, uma parede que revela algumas gambiarras de pedreiros anteriores, etc.
Geralmente o contrato tem uma cláusula sobre possíveis alterações. E o pedreiro não é obrigado a fazer o serviço que não estava no acordo original. Ou seja: ou você aceita pagar a mais ou o projeto não vai pra frente. Pode ficar acordado uma porcentagem ou um valor fixo pelo serviço quando há algum imprevisto. Melhor estabelecer essas regras do que no meio do projeto ser surpreendido com custos bem acima do que planejado.
Pedreiro por empreitada ou por dia: o contrato por dia
O contrato por dia pode parecer sair mais caro, mas quando você toma consciência de que o pedreiro não é obrigado a fazer serviços que não estavam discriminados no contrato inicial, se ele se deparar com problemas ou situações inesperadas durante a obra ou reforma. Nisso, há uma clara vantagem para o contrato por dia.
No contrato por dia, o pedreiro vai ter que lidar com todos os problemas que aparecerem durante a obra, sem poder cobrar a mais por isso. Em obras maiores, de longo prazo, quando o projeto é menos complexo, esse tipo de contrato por dia pode ser a melhor opção.
Profissionais que não tem muita qualidade podem enrolar o serviço, e acabar resultando em custos bem mais altos para seu projeto de reforma.
Qual o melhor para seu projeto: contratar o pedreiro por dia ou por empreitada?
Casas e apartamentos antigos, em obras emergenciais, podem ter que lidar com obras e reformas pagas por dia ao pedreiro, não por opção, mas por necessidade.
Uma obra ou reforma em casa nova de longo prazo pode ter um valor fechado, com critérios para alterações no preço para possíveis imprevistos.
Obras e reformas pequenas, planejadas, podem ser combinadas com o pedreiros e definidas um valor por dia de trabalho.
Um bom engenheiro, arquiteto, ou mestre de obras, sentando com você e analisando seu projeto, conseguirá te dizer bem qual o melhor tipo de contrato de pedreiro é melhor para seu projeto. E nem sempre o mais barato é o melhor: você tem que usar o que for mais eficiente (custo e benefício, juntos), e não o mais barato.
Recibo e como pagar autônomo
Quando você for pagar o pedreiro, peça o recibo, com discriminação dos serviços prestados pelo pedreiro, seja por dia ou por empreitada. Você tem que fazer essa exigência do pedreiro. É necessário pagar o pedreiro e não apenas ele, e você precisa pagar também o INSS do mesmo, a não ser que pague ele por um CNPJ de MEI, Microempresário, ou CNPJ individual. Esse recibo é também a forma de você garantir que o contrato será respeitado, e que qualquer problema depois que o projeto for terminado poderá ser consertado, exigindo dos profissionais envolvidos a correção dos problemas. Sem o recibo, fica muito mais difícil.
Qual tipo de contrato você acha melhor com pedreiros? Por dia ou por empreitada? Por que?
Ler Mais

Software para calculo de flexão em vigas

Programa para calculo de vigas de concreto armado a flexão.

https://drive.google.com/file/d/1hInJPA-AlDg7V3MwjmyM4_yIhUXw4tOx/view?usp=sharing


Ler Mais

Vigas de Concreto Armado com o BRINDE PALLET

Em 10 de janeiro haverá reajuste de preço, aproveite!!!


Mais informações do Pacote de Vigas do Clube do Concreto com diversas planilhas para cálculo de vigas de concreto armado. 


 VEJA QUE BRINDE !!!! 

"E NÃO SE TRATA DE  UMA VERSÃO DEMO!! "




A novidade é o Brinde deste pacote é a SÉRIE PASTA DO ENGENHEIRO 2009 com a ultima versão ( versão de 2012) do VOLUME 1 da PALLET SISTEMAS que foi deixado de ser vendida comercialmente a muitos anos. 

Este programa funciona em diversas máquinas, até no sistema Windows 7 e o Windows Vista, utilize em quantas maquinas desejar, é livre para isso. Esta é a última versão que foi comercializada E NÃO SE TRATA DE UMA VERSÃO DEMO.

Funciona sem ter nenhuma VALIDADE DE PRAZO e todos os assuntos estão liberados.

O programa brinde calcula:

Lajes maciças e pré-moldadas (volterrana), vigas continuas até 15 vãos, fundações rasas, pilares , analise de capacidade de carga, fundações profundas, otimiza seções retangulares e seções T.

As planilhas que são oferecidas devem ser verificadas e estas servem para material didático, estudo e não como ferramenta final de qualquer cálculo, siga as fórmulas na aba de FÓRMULAS do Excel, depois clique em RASTREAR PRECEDENTES OU DEPENDENTES.

Veja o que você vai levar de BRINDE:


Como eu utilizo muito o cálculo de vigas (mais de 5mil vigas calculadas em mais de um milhão e meio de metros quadrados de obras), aqui temos umas imagens e um link para se ver um vídeo de  cálculo de vigas: AQUI




Em cada assunto existe uma pasta com a teoria aplicada no programa o que torna um programa didático ao extremo ou seja sem caixa preta.....rsrsr


Valor do Pacote de vigas :   R$250,00 (duzentos e cinquenta reais) a titulo de doação ao Clube do Concreto.


Faça já o seu pedido.

Envie um e-mail para    clubedoconcreto@gmail.com    para adquirir  e logo você receberá uma resposta com as instruções para a sua aquisição.

Obs.: Se você é um detentor de qualquer programa ou planilha e não quer seja divulgada neste pacote, você pode solicitar sua remoção pelo e-mail logo abaixo, o que será certamente feito imediatamente ou se o desejar será dado o seu devido crédito no seu trabalho.

Eng Ruy Serafim de Teixeira Guerra
Ler Mais

Manual de Procedimento para Terças de Concreto

 Estou publicando este artigo que divulguei para várias fabricas aqui no Nordeste, por se tratar de informações que muitos desconhecem e que vem causando acidentes sendo alguns destes acidentes com fatalidades. 

Observe cada item com olhos de julgadores, faça o que deve ser feito, não se deve aceitar imposições que contrariem a lógica, afinal ser técnico não é para todos. Qualquer dúvida pode comentar ou mesmo me passar um e-mail ok!!! 

 

Esta é uma publicação na qual comento alguns detalhes sobre as terças de concreto armado de um modelo que se utiliza muito na região Nordeste: 

 



Terças com altura de 15 ou 18 cm

 

1-     Escolha da Brita Certa

 

Vejamos a típica seção de uma terça tipo T15 para podermos dimensionar a brita que se deve utilizar no concreto para a sua fabricação (Brita Certa)

 

 


Pela norma da ABNT, para a escolha da dimensão máxima da brita que não deve exceder a:

  

- a 1/3 da espessura da laje

- a 1/4 da distância entre as faces da forma

- a 0,80 da espessura entre armaduras horizontais

-a 1/2 da espessura entre armaduras horizontais

-a 1/4 do diâmetro da tubulação do bombeamento

 

Vamos ver abaixo como escolher a Brita Certa para esta terça:

 

-Pela dimensão na base= 4.0 cm entre formas da distância entre as faces da forma 1/4 * 4 =1 cm =10 mm

 

-Pelo topo (espessura da mesa superior) = 4.0cm espessura da laje

1/3 da distância entre as faces da forma 1/3 *4 =1.3 cm=13 mm

 

Logo a brita certa seria de Dmax=10 mm 

 

Normalmente as fabricas utilizam britas de dimensão máxima característica de 19mm porque querem utilizar só um tipo de brita para todos os produtos e assim adquirem somente a brita 19 para todos os produtos, erradíssimo!!!

 

O espaço que fica entre a armadura e a face da forma não permite a passagem dessa Brita 19mm que alguns fabricantes usam e com isso o concreto não fica homogêneo na sua parte inferior. Se obtém abaixo da armadura principal somente argamassa com o cimento e a areia. O concreto passa a ter nesse caso módulos de elasticidade diferentes na face inferior e na parte superior, deformando a terça. A brita fica contida acima do aço e este concreto dessa região torna-se poroso e portanto muito frágil o que faz romper estas terças com cargas abaixo de seu dimensionamento.

 

O pior ainda ocorre quando a armadura inferior (a positiva) tem emendas por transpasse e tem ainda mais pior ainda quando se tem emendas numa mesma seção!!!

 

Verifique se a brita que está sendo utilizada nos seus traços se é a correta. 

 

 

2-     Carregamento em uma terça

 

Vale dizer que não existe nas normas da ABNT dizendo qual a carga que deva suportar uma terça de concreto mas existe um consenso de vários calculistas (e algumas teses) que uma terça deva suportar uma carga de uma pessoa de pessoa de no mínimo 80Kg no seu meio.

  

3-    Desmoldante

 

 Existe ainda um outro fator muitíssimo importante que poucos percebem e que é a quantidade do desmoldante utilizado. O concreto quando lançado na forma empurra o desmoldante para a sua extremidade (seu apoio na tesoura) que é uma região mais delicada por ser um dente gerber de seção muito reduzida.

 

O concreto dessa região do apoio então recebe uma alta carga de desmoldante que se mistura com o concreto e faz assim cair muito de resistência na região do apoio!!!

 

Alertas devem ser dado quanto ao uso indiscriminado de desmoldante, ensinar é o melhor meio, os encarregados devem estar preparados para educar.

 

4-     Areias

 

Especial atenção deve ser dado na utilização da areia. Fica evidente que a areia não deve conter argilas e materiais estranhos. Estas areias devem ser peneiradas para termos somente grãos abaixo de 10mm. Utilizar areias sem um peneiramento prévio é um risco alto de se ter uma peça com grande problema na sua instalação.

 

5-    Final

 

Evite problemas futuros com quebras de peças e com alto teor de vazios devido a não arrumação dos grãos use a brita certa em todos os seus produtos.

 

Acompanhe a confecção de armaduras e não autorize transpasses de armaduras que não sejam indicadas por seu calculista, explique o motivo a seus funcionários, ensinar é uma regra básica nesta atividade.

 

Acompanhe a fabricação averiguando que se usa desmoldante nas quantidades certas, sem excesso !!!

 

Em resumo, uma fabricação de um produto deve ser acompanhada por pessoas capazes, que tenham a mente aberta para aprender e o mais importante:

 Que gostem do que fazem !!

 

Eng. Ruy Serafim de Teixeira Guerra

 

Ler Mais
 
Clube do Concreto | by TNB ©2010