Bons Corpos de Prova

22 de maio de 2013




A resistência do concreto à compressão é determinada através da ruptura de corpos de prova em prensas e estes valores reproduzem o valor da resistência  do concreto que irá ser utilizado na estrutura, levando geralmente a tomadas de decisões que envolvem grandes responsabilidades.

É baseado nesta importância que o ensaio de ruptura dos CPs deve ser feito dentro de padrões e cuidados, pois se a amostra não for representativa como CPs mal curados, moldagem fora das normas etc, o ensaio não será representativo no que concerne a sua resistência, podendo assim acarretar decisões erradas que poderão a vir prejudicar toda uma estrutura.

Cita-se abaixo alguns aspectos importantes que caracterizam a necessidade de adoção e bom acompanhamento do ensaio de ruptura de CPs. São os seguintes:

1.      Permitir fazer a verificação da mistura em relação a sua qualidade.
2.      Confirmar se o concreto produzido atende aos requisitos de resistência nas idades pré-estabelecidas.
3.      Determinar a aceitação ou não da peça concretada.
4.      Determinar se as formas podem ser retiradas, identificando idade de retirada dos escoramentos nos casos de edificações.
5.      Determinar a idade que a peça pode ser transportada ou cortada nos casos de peças protendidas.

Logo é muito importante que todos os cuidados devem ser seguidos, alguns exemplos:

1.      Toda a aparelhagem deve estar limpa de resíduos de concreto.
2.      As formas devem estar untadas, por dentro e por fora, com uma fina camada de óleo desmoldante (e não banhadas com óleo em excesso).
3.      A amostra deve ser colhida no menor intervalo de tempo, abaixo de 15 minutos.
4.      Não se expor a amostra ao sol e deve-se percorrer o menor caminho possível para esta coleta.
5.      A amostra deve ser retirada de dois pontos da metade da carga da betoneira/misturador, ou seja nunca no inicio e no fim da carga.
6.      Depois da moldagem dos CPs estes deverão ser cobertos com uma lona ou uma tábua umedecida para que se evite uma perda de água que comprometa a hidratação do cimento.
7.      O manuseio ou o transporte dos Cps para o laboratório só deverão ocorrer após 24 horas de sua moldagem.
8.      Evitar vibrações nos CPs nesse trajeto até o laboratório.
9.      Conservar os CPs em um tanque com água ou em câmeras de cura.
10.  Executar todos estes trabalhos em sombra.
11.  Misturar a amostra de concreto antes da realização do ensaio.

Link de um video:http://www.youtube.com/watch?v=DJ2i3-qRUnc
 
Clube do Concreto | by TNB ©2010