Explicações das teorias de Kenday - parte2

1 de maio de 2016

As explicações das teorias de Kenday em sua primeira parte teve explicações que sequer não existem nos meios acadêmicos e nem sequer em teses de doutorado, vou continuar expondo o que no seu livro parece de difícil entendimento até para os mais experientes.

Os efeitos da forma da partícula e o teor de finos (silte) permanecem com o problema de que a superfície específica nas suas frações mais finas da peneira  procuram mais água. 

Há uma explicação que é dada por Kenday que é assim:

Uma areia quando fica molhada pode envolver uma espessura de película uniforme de água sobre toda a sua superfície. Se isto é o que acontece, então é muito claro por que exigência de água deve ser exatamente proporcional à superfície específica. No entanto, a areia também irá estar molhada, se todos os espaços vazios em uma massa estão cheios de água.

Não há nenhum efeito no tamanho dos grãos envolvidos nos vazios percentuais em uma areia. Um único agregado 40 milímetros terá o mesmo índice de vazios de que um como uma fração de peneira de tamanho único de 150 um, se as formas de partículas são as mesmas.

Temos assim que a quantidade de água necessária para encher os espaços vazios estabelece um limite superior para a água, que se aplicará por menos do que isso e sendo calculada a partir da área de superfície. É por isso que as frações de peneiras menores podem ser atribuídas apenas um efeito limitado sobre a 'Superfície Específica Modificada -SS ' “isso é ser um predito de necessidade de água”.

Uma vez que os valores são empíricos, uma dificuldade surge quando uma série de peneiras diferentes são utilizadas. Isto tem sido limitado anteriormente a aplicabilidade internacional do sistema. Recentemente Kenday cita que os valores originais foram plotados em um valor de SS em função de logarítmico que significa um gráfico de tamanho e uma curva regular.

A confecção de uma tabela de valores interpolados a partir desta curva permite que um valor de SS para ser atribuído ao registo de tamanho do material entre quaisquer dois crivos de uma série.

Isto eu o fiz no gráfico que é exponencial logo abaixo,veja que a curva é quase perfeita, e coloquei para verificar o seu desvio e tem-se um R2 de 0.9827 bem próximo ao verdadeiro em curva exponencial aos valores recomendados por Kenday para a Superfície Especifica Modificada, falta um pequeno ajuste em algumas partículas,veja o gráfico abaixo :



Kenday sugere os valores dos Fatores para o SS modificado da tabela abaixo, estes foram os valores que estão no gráfico,Os valores apresentados nesta tabela podem ser utilizados, quer por uma mistura para dois agregados ou para uma mistura de classificação previamente combinada. Sendo ai onde reside a dificuldade para se misturar mais de dois agregados.


Os valores de SS para o Road Note 4 (RRL, 1950) estão  apresentados abaixo


Kenday cita que os Finos (silte) ou argila numa mistura de concreto certamente tem o potencial de causar um aumento muito substancial na necessidade de água. A sua experiencia mostra que para valores de até 6% em volume não há efeito na quantidade do teor de água e que para valores acima deste, o efeito do aumento do teor de água tende a ser razoavelmente linear.

Tal como acontece com a angularidade de partículas, as partículas mais finas (silte) aumentam as necessidades de água, sem justificar uma redução de compensação em porcentagem areia. Portanto, se a superfície específica é para ser usado para a dosagem total, o efeito do teor de finos também deve ser permitido separadamente em vez de serem incluídas na figura superfície específicas.

O aumento da água causada depende tanto da quantidade de finos (silte) e da sua natureza. Para um certo peso de de silte muito fino cita que fará aumentar cerca de três vezes mais o aumento na demanda de água do que em pó britados.

Kenday orienta para o estudante novo de concreto ao teste de sedimentação para integrar ambos os fatores e dar uma boa proporcionalidade ao aumento da demanda de água.

Outro exemplo a necessidade de avaliar a importância relativa refere-se a testes de agregado fino, em geral. A imprecisão na determinação de qualquer silte ou classificação é muitas vezes menos importante do que a dificuldade de obtenção de uma amostra verdadeiramente representativa.

Alguns agregados finos são extremamente consistentes ao longo do percurso de sua entrega, mas outros podem não o ser se as condições de transporte e descarga forem inadequadas. Esta variação pode ser significativa, com os testes relativamente fáceis de fazer nesta hora  podem ser mais valiosos do que com determinações muito mais precisas. Se um teste indica uma mudança significativa, a primeira ação deve ser a repeti-la em uma segunda amostra para confirmação.

Agora vou encerrar esta segunda parte para não cansar e para que se entenda estas ideias novas e lembre que não são muito novas ....


Eng Ruy Serafim de Teixeira Guerra


0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são muito bem vindos e importantes, mas assine com seu Nome/URL, onde trabalha e de qual estado/cidade você é.

 
Clube do Concreto | by TNB ©2010