O que ABRAMS queria dizer a 100 anos atrás?

3 de julho de 2017



Como Jay Shilstone cita estamos a nos aproximar rapidamente a 100° aniversário da publicação de 1918 de Lewis Institute Boletim No. 1 de Duff A. Abrams e depois de tanto tempo ainda não temos uma explicação confirmada do item 9 deste boletim sobre os princípios importantes estabelecidos como referencia ao projeto de misturas do concreto, mas será mesmo isso?

Eis a tradução do item 9:
A classificação de agregados que produz o concreto mais forte não é que dê a densidade máxima (vazios mais baixos). Uma classificação mais grosseira do que a máxima densidade é necessária para uma maior resistência ao concreto.

Jay  explica a sua suposição em seu blog (original aqui) :
Ele nunca explicou seu raciocínio, mas eu suponho que é forçar que haja mais vazios no concreto para acomodar mais pastas e produzir uma mistura mais viável. Esta é uma das razões pelas quais gostaria de ter as notas de Abrams (foram perdidas numa enchente).

Pode ser que eu possa estar na eminencia de ter confirmada esta suposição de Jay com a curva de Graduação reforçada (Reinforced Graded-RG) utilizando o DPCON para se dosar, mas venho agora entrar em fase de ensaios laboratoriais em 3 fabricas de pré fabricados no Brasil e em uma concreteira em Moçambique.

Creio que devam estar perguntando o que a curva RG faz? 
Resposta para a explicação que perdura a quase 100 anos

O que Jay supõe em sua explicação o RG faz:
-Esta curva classifica com mais grossos na última peneira fazendo assim abrir vazios no concreto para acomodar a pasta (aglomerante e água) 
- Não existe perda de coesão se fazendo o controle das parcelas de finos 
- O aglomerante se acredita que não compete com os finos 
- O erro da curva de Fuller que não é 100% parabólica  é corrigido nessa nova curva RG passando a ser perfeita.
- O método dos mínimos quadrados ao se dosar  não se colocam grossos porque estão faltando os finos. 
-A mistura RG tem um modulo de finura maior e portanto precisa de um teor menor de água  e logo se tem um menor consumo de cimento. 

Muita coisa RG faz não é !

Essa curva é de formulação matemática sendo unica no mundo. Entra-se com a Dimensão Máxima Teórica-DMT e com as peneiras, os mesmos elementos utilizados para a curva de Fuller e assim se obtém através de sua fórmula os percentuais  passantes em cada uma das peneiras.

Mas isso tudo precisa ser confirmado, mais saibam que RG  já vem sendo utilizado em Moçambique com grande sucesso e também em algumas fabricas no Brasil que eu dou assessoria técnica. 

Logo abaixo  Ronit dessa concreteira mostra uns vídeos que demonstram tudo isso e como ele me disse hoje "É de dar arrepios..." 

Quero citar que Ronit vem formando comigo essa nova teoria do DPCON e sempre juntos trocamos muitas ideias que com certeza vão mudar a forma de se dosar um concreto, mas chega de falar e vejam o que está acontecendo com esse concreto matemático 

Siga Ronit no seu Instagram aqui:





 






Muito rápido e com essa turma Sinérgica .... não deixe de ver o detalhe nesse último vídeo na facilidade de se dar um acabamento..

Agora é aguardar os resultados dos testes com esta curva Reinforced Graded-RG e quem sabe se não faremos um livro demonstrando essas novas descobertas que devem responder o item 9 do Boletim de Abrams de 100 anos atrás 

Assinam esta publicação que deve ser histórica,
Ruy Serafim de Teixeira Guerra e Ronit Manojcumar




0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são muito bem vindos e importantes, mas assine com seu Nome/URL, onde trabalha e de qual estado/cidade você é.

 
Clube do Concreto | by TNB ©2010