Dosagem do concreto para Laje Alveolar

3 de junho de 2013


Ressalta-se que foram três tópicos para se alcançar o referido feito publicado na postagem, como explanou Nelson Meyer, técnico da WCH, estes o foram: Traço, Regulagem e Sinergia.

Vamos falar agora sobre o primeiro item, o traço. Este que foi desenvolvido pelo método que venho explanando neste site (ver postagem “Dosagem Paramétrica do Concreto”). Seguem-se os seguintes passos básicos para o calculo de um traço para esta moldadora:

  1.    Fazer a análise granulométrica dos agregados, optamos por utilizar dois tipos de agregados a areia lavada e uma brita com DMC=10 mm.

  2.  Lançar os pesos retidos de cada um dos agregados na área de cor cinza na planilha PLAN1 (disponível na área de “Downloads”).

   3.   Agora se calcula a dimensão máxima teórica DMT (ver postagem) lançando-se o percentual máximo retido em primeiro lugar (na mesma planilha PLAN1), aqui foi utilizado com 10%, agora se devem lançar as dimensões/percentuais do intervalo onde está contido este percentual retido. No nosso caso chegou-se nesta dosagem a um DMT de 7.90mm. Utiliza-se este novo conceito de DMT, para tender a curva da mistura a  curva de Fuller (1907) o mais matematicamente possível.

  4.     Clicando-se na ferramenta Solver na aba “DADOS” desta planilha PLAN1 se chega aos percentuais da mistura que para o nosso caso chegou aos valores aproximados de 40% na areia e 60% na brita. Utilizando-se esta aproximação matemática à curva de Fuller a dispersão é que atua como condicionante e sempre se deve tentar chegar a uma dispersão menor do que três (quando a dispersão for alta é melhor se compor a mistura com outros tipos de agregados ou com mais agregados).

   5.     Agora com a proporção dos agregados realizada temos que fazer um traço inicial para se descobrir o teor de água para o equipamento que deverá estar regulado na sua vibração para a laje a ser fabricada. A umidade ótima (ver postagem de “Água de Amassamento”) deve ser procurada em uma mistura inicial, que chamaremos de traço inicial. Como exemplo foi feito para o traço inicial com um fator água/cimento de 0.40 (próximo ao de utilização final) e uma umidade de 8%, onde a cura é controlada por meio de tecido molhado no mesmo tempo que se produz. Com o teor de água/materiais secos se chega ao seguinte:
A%=a/c / (1+m) *100 = 8  então 8=0.40/(1+m) *100 logo: m=4
Traço inicial 1 : 0.4*4 : 0.6*4 : 0.40

   6.     Fabrica-se com este traço inicial e se ajusta o teor de água para se chegar à         umidade ótima. No nosso caso a umidade ótima chegou a 8,68%, com o peso dos materiais utilizados no traço inicial iremos ter o teor de água por m3, neste caso obtivemos 195litros. . O traço inicial que foi ajustado com a umidade assim ficou:
8.68=0.40(1+m)*100  logo:  m=3.608

Deve-se moldar CPs com este traço inicial que foi ajustado com a umidade ótima, para ruptura com as idades de 1,3,7 e 28 dias para termos a resistência deste traço inicial ajustado.

   7.     O traço final vai depender do projeto estrutural, ou seja, a resistência de corte das lajes, neste nosso caso 25MPA. Pode-se agora fazer alguns traços com diversos fatores de água/cimento isto se a resistência alcançada do traço inicial ajustado não alcançar a resistência de corte na idade desejada.

Link da planilha Excel desta mistura:http://pt.scribd.com/doc/155352108/TRACO-PARA-LAJE-ALVEOLAR-xlsx

 
Clube do Concreto | by TNB ©2010