Explicações sobre Dosagem do Concreto e o DPCON(1)

9 de dezembro de 2015

Gosto sempre de explicar a diferença entre as dosagens dos concretos antigo e novo (moderno).


No meu tempo que estudava na faculdade (isso faz bastante tempo), aprendi a dosar o concreto para a maior dimensão característica possível (DMC) do agregado graúdo (brita) tínhamos que obter a menor superfície especifica na mistura e com isso termos um menor teor de água por m3 no concreto, a isto chamo de concreto antigo (dosagem antiga).

Com o concreto novo dosamos com materiais de dimensões características (DMC) mais reduzidas e como isso temos como consequência uma maior demanda de água e como houve aumento da superfície especifica total na mistura entram em ação os bons aditivos para fazer o corte deste excesso de água.

O que resulta então para o concreto novo é maiores resistências pelo preenchimento dos vazios pelos finos. Simples não é?

Os controles para produzir um concreto novo devem ser bem maiores, as variações de agregados para uma finura menor do que a dosada pode ser bastante prejudicial e ocorrer uma queda representativa nas resistências finais do concreto.

Nada para se assustar porque um bom tecnologista do concreto que esteja preparado certamente irá resolver os problemas que surgem. As soluções de separar agregados por lotes de finura devem ser vista com maior ênfase.Os aditivos devem ser estudados porque não adianta utilizar maiores percentuais de aditivo se este ultrapassar seu ponto de saturação e se for colocado pouco aditivo este não irá atuar devidamente e poderá ainda existir casos de incompatibilidade do aditivo x cimento. 

Hoje temos avançado na produção do concreto, existe uma infinidade de tipos, mas vou citar só alguns para uma pequena analise, vejamos isso:

Concretos Auto Adensáveis- CAA, 
Concretos de Alto Desempenho - CAD, 
Micro concretos industrializados (Grautes) e, 
Concretos de Pós Reativos CPR.

Como estou tratando somente o aspecto da dosagem do concreto e no tocante a finura do concreto vejamos então resumidamente o seguinte:

No CAA existe a necessidade de termos teores de finos controlados para que possa se rolar os grãos maiores. Diversos tecnologistas limitam os agregados graúdos a um menor DMC ficando em 19 mm, também é utilizado aditivos redutores de água e aditivos modificadores de viscosidade. 

Nos concretos CAD temos a introdução no concreto de adições (microsilicas ou outros) com o intuito de fechar mais ainda os poros e para o corte desta água a maior, os aditivos utilizados devem ser neste caso os policarboxilatos que reduzem drasticamente este consumo de água.

No micro concreto-Grautes temos ainda menores DMC, por volta de 4.75 mm e a sua composição atende fielmente a curvas de dosagem, por terem seus agregados separados por peneiras classificatórias. 

E finalmente cito os CPR, que tem na sua composição os grãos limitados a aproximadamente 2 mm, nestes concretos se atinge resistências de 200 a 800 Mpa.

Resumidamente o que eu pretendia dizer é que existe uma tendência muito forte nos concretos para uma redução de sua Dimensão Máxima Característica-DMC onde comprovadamente se obtém maiores resistências e maiores módulos de elasticidade. 


No DPCON (versão 5) os finos agora entram na dosagem dos concretos convencionais/bombeados como sendo os redutores dos poros, assim como no  CAA e o CAD (ver fig. acima). Com novas soluções e  formulações inovadoras que foram desenvolvidas para se fazer isso na dosagem do concreto. 

Nesta nova versão da dosagem do DPCON tem-se obtido grandes resistências no concreto. A trabalhabilidade é muito melhor e fica praticamente a mesma para qualquer teor de aglomerante e fora ainda o aspecto visual do concreto que está praticamente igual em qualquer local do mundo.

Quero agora agradecer aqui aos que me ajudam na Inbrac-Brasil-Caruaru em especial ao meu estagiário (no papel mas o considero um ENG.)  Murilo Tenório Cavalcanti.

Agradeço também com maior enfase ao incentivo pessoal a minha pessoa de Ronit Manojcumar  assim como a todos os seus membros desta concreteira de Maputo-Moçambique.

Ronit Manojcumar é o desenvolvedor atuante e participativo desta nova tecnologia de dosagem dos concretos convencionais/bombeados que é certamente inovadora em todos os seus aspectos.


Eng Ruy Serafim de Teixeira Guerra


0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são muito bem vindos e importantes, mas assine com seu Nome/URL, onde trabalha e de qual estado/cidade você é.

 
Clube do Concreto | by TNB ©2010